TROCA PREVENTIVA DE BATERIAS GANHA FORÇA NO MERCADO

30.05.19

COM O AUMENTO DOS COMPONENTES ELETRÔNICOS NOS VEÍCULOS, QUE DÃO MAIOR CONFORTO AOS USUÁRIOS, É RECOMENDÁVEL A TROCA PREVENTIVA DA BATERIA

Troca de óleo do motor, pastilhas de freio, pneus, velas… O olhar aguçado dos condutores sobre diversos componentes do carro e a troca preventiva deles é fundamental para manter o veículo em bom estado de funcionamento por muitos anos. A bateria automotiva – antes coadjuvante nessa lista – hoje é uma das peças primordiais, merecendo a mesma vigilância que se exerce sobre a troca de óleo, por exemplo.

Há cerca de duas décadas, a bateria era vista apenas como um item para a partida do carro ou o funcionamento das luzes baixa e alta, limpador de para-brisa ou pisca alerta. Em geral, os motoristas só notavam a existência do produto quando ele descarregava por completo, causando transtornos em diversas situações. Atire a primeira pedra quem nunca ficou na garagem de casa ou na rua por falta de bateria.

Hoje, trocá-la preventivamente já começa a fazer parte da cultura de muitos motoristas que pretendem evitar esse tipo de situação embaraçosa.

Carlos Alberto de Melo, que atua na área de desenvolvimento de produtos da Rondopar, fala sobre os desgastes da bateria: “Com o advento da eletrônica nos veículos, a tecnologia embarcada está cada vez maior, assim como a aplicação da bateria. Os veículos possuem diversos opcionais como ar-condicionado, controle de bordo, GPS, ajuste elétrico de bancos e equipamentos de comunicação, todos interligados. A função da bateria é prover energia para esse grande sistema, sendo tão importante quanto os demais componentes do carro. Já vi casos da bateria pifar e o motorista ter problemas no sistema de informação do carro, tendo que reprogramá-lo todo, um transtorno muito grande que não aconteceria se ela fosse trocada preventivamente”, explica Carlos. Além dos problemas acima, tem mais o fato de que nos veículos novos, maioria da frota, não é recomendável utilizar do famoso “pegar no tranco”.

SINAL DE ALERTA

Quando a bateria começa a falhar no momento da partida do veículo, o motorista precisa agir com rapidez, pois a carga está no limite. O consumidor pode se antecipar a esse processo, visitando autoelétricas ou autocenters especializados. Por meio de equipamentos específicos, essas empresas fazem a leitura eletrônica do veículo, avaliando as condições da bateria. Outro sinal importante que possa indicar uma troca preventivamente é o período de garantia.

Caso tenha passado muito tempo de seu vencimento, é bom fazer uma revisão na bateria: “Essa estratégia é viável, se o produto adquirido atende, de fato, as demandas de energia do veículo. Quem realiza a venda precisa orientar o motorista neste processo de troca preventiva”, conclui o especialista.

Fonte: Rondopar

Inglaterra vai testar estrada que recarrega carros elétricos

30.05.19

Em um futuro talvez nem tão distante na Inglaterra, motoristas poderão recarregar carros elétricos enquanto dirigem por estradas do país.

A agência do governo anunciou um projeto para testar a tecnologia de “carregamento veicular sem fio”. O sistema seria instalado sob o asfalto em algumas das principais rodovias evitando que motoristas precisem parar para recarregar as baterias.

Um estudo de viabilidade já existe, e agora a agência abriu uma concorrência para propostas de testes da tecnologia. Mas especialistas questionam também se um esquema como esse seria viável economicamente.

Testes na Coreia do Sul

Tecnologias de “recarga automática” de carros elétricos nas estradas já estão em funcionamento em alguns lugares.

Em 2013, a cidade sul-coreana de Gumi reconstruiu uma rua de 12 km permitindo que ônibus elétricos sejam recarregados enquanto trafegam.

Isso funciona com um processo chamado “carregamento por indução magnética”. Cabos elétricos enterrados sob o asfalto produzem campos magnéticos, que são absorvidos por um receptor no carro, e convertidos em eletricidade.

No ano passado, a cidade de Milton Keynes, no sudeste da Inglaterra, testou um esquema parecido, porém mais limitado, que recarregava baterias de ônibus elétricos por meio de placas instaladas no meio da rua.

O experimento, entretanto, exigia que os veículos parassem por alguns minutos para recarregar a bateria.

“O nosso compromisso é de realizar testes fora das ruas, ou seja, não em vias públicas, em 2016 ou 2017”, disse Stuart Thompson, um porta-voz da Highways England à BBC. “Ainda é muito cedo para revelar mais. Onde, exatamente, esses testes acontecerão é algo que ainda não foi decidido.”

Segundo a Highway England, mais detalhes sobre a novidade serão divulgados quando um contrato for, de fato, firmado. A ideia é testar a tecnologia por 18 meses antes de decidir se o governo financiará um teste oficial em vias públicas.

“O potencial de recarregar veículos elétricos de baixa emissão de poluentes nos abre possibilidades animadoras”, comentou o Ministro dos Transportes, Andrew Jones.

“Como esse estudo mostra, continuamos a explorar opções para melhorar as jornadas e tornar veículos de baixa emissão mais acessíveis para as pessoas.”

No entanto, o diretor da Cardiff Business School’s Electric Vehicle Centre of Excellence, Paul Nieuwenhuis, continua cético.

“Faz sentido testar. A tecnologia obviamente funciona”, disse Nieuwenhuis. “Mas esse projeto realmente me soa muito ambicioso. O custo é a principal questão e não estou convencido de que vale a pena.”

“A tecnologia das baterias tem melhorado – se você olhar para o que a Tesla conseguiu atingir nos últimos anos, melhorando a qualidade das baterias de seis em seis meses… Por isso, não tenho certeza se realmente há necessidade disso”, disse.

Mesmo que o plano não venha a se concretizar, a Highways England já se comprometeu a instalar pontos de recarga de bateria a cada 32 km na sua rede de estradas a longo prazo.

Fonte: Auto Esporte

A importância do alternador

23.04.19

O alternador e a bateria são responsáveis por gerar e fornecer energia. Por isso, a manutenção preventiva desses itens é fundamental para garantir o bom funcionamento e segurança do automóvel.

Acionado pelo motor por meio de uma correia, o alternador – que é a central elétrica do veículo – transforma a energia mecânica em energia elétrica necessária para carregar a bateria e alimentar todos os componentes, como o sistema de ignição, injeção e os demais equipamentos elétricos. Não há um tempo pré-determinado para a troca ou substituição do componente; isso varia de acordo com a utilização (tempo que o motor fica ligado) e condições de uso do carro.

Já a bateria tem a função de fornecer energia ao motor de partida e ao sistema de ignição do automóvel, além de alimentar todo o sistema elétrico quando o motor está desligado. A durabilidade de uma bateria depende da qualidade do produto e também do cuidado do motorista com o automóvel. Se a bateria for de boa qualidade e se o sistema elétrico passar por manutenções preventivas, ela pode durar até cinco anos ou mais. Pensando nisso, a Bosch fornece algumas orientações para aumentar a vida útil destes componentes.

Para aumentar a durabilidade do alternador o ideal é verificar sempre o estado de conservação das correias e das polias, e substituí-las quando necessário. Quando for necessário fazer a troca, não é indicado utilizar peças de baixa qualidade, pois estas podem prejudicar o funcionamento e a durabilidade do equipamento.

No caso da bateria, a primeira orientação é garantir que o sistema elétrico do veículo esteja em boas condições, nas especificações determinadas pelo fabricante e, especialmente, que seja compatível com a capacidade do alternador.

Outro componente fundamental para a durabilidade da bateria é o regulador de tensão do alternador, que, além de outras funções, controla a quantidade de energia que deve ser fornecida pelo alternador para a correta recarga da bateria, ao mesmo tempo em que garante a alimentação de todos os demais consumidores elétricos do veículo.

O motorista também deve evitar ações que geram a descarga profunda da bateria, como, por exemplo, manter os faróis, som ou luzes internas ligados, enquanto o veículo está desligado. Outra orientação é não deixar o veículo por vários dias sem funcionamento, pois, mesmo nessa condição, a bateria continua fornecendo energia ao sistema elétrico do automóvel, como por exemplo, unidades de comando, alarme, etc.

Fonte: Mecânica Online.

Atenção redobrada no período chuvoso

23.04.19

Em muitas regiões brasileiras, os meses chuvosos do ano reservam para os motoristas grandes dificuldades nas estradas, não somente pelo movimento das férias, que aumenta a quantidade de carros nas rodovias, mas também por ser o período mais chuvoso.

Se você precisa pegar a estrada para chegar ao trabalho, se faz questão das viagens de final de semana ou até mesmo, se enfrenta as águas na cidade grande, é importante tomar alguns cuidados com o seu carro para aumentar a segurança e não colocar ninguém em risco. Saiba, a seguir, como garantir mais proteção no seu automóvel em épocas de chuva:

Limpadores

Em dias chuvosos, o primeiro passo é garantir a melhor visibilidade possível da pista, e um dos itens imprescindíveis para a época das águas é o limpador de para-brisa.

Fique atento a riscos de borracha no vidro e ao som emitido pela peça, quando passar pelo para-brisa: esses são dois indícios de que está na hora de trocar o limpador.

Não esqueça também de conferir o do vidro traseiro!

Lanternas

Dias chuvosos são naturalmente mais escuros, e muitos momentos requerem o farol aceso. Por isso, não deixe de revisar suas lanternas antes de sair com o carro, pois além da questão da segurança, o condutor corre risco de ser autuado com 4 pontos na carteira.

As luzes de sinalização, como o pisca alerta e setas de direção também devem estar em dia e reguladas, para evitar transtornos.

Pneus

A água reduz o atrito entre o asfalto e os pneus, sendo que o acúmulo do líquido pode gerar a famosa aquaplanagem, processo no qual o condutor praticamente perde o controle do carro devido à falta de contato entre o pneu e o chão.

Confira sempre a profundidade dos sulcos dos pneus (ranhuras na borracha) do seu carro, pois são eles que entregam a condição atual da borracha. E em caso de aquaplanagem, não se desespere: apenas pare de acelerar, mantenha a direção reta e não pise no freio.

Freios

Juntamente com os pneus, o sistema de freios são os responsáveis por parar o seu carro em alguma emergência, e por isso devem estar em boas condições. Confira periodicamente o fluido de freio e a condição dos demais componentes do sistema de freios, como discos, cilindros etc. Fique atento a qualquer ruído ou demora ao frear: esses são alguns indícios de que seu freio necessita de manutenção.

Sistema de circulação de ar

O sistema de ventilação do veículo exerce papel fundamental quando o vidro começa a embaçar. Por esse motivo, com ar condicionado ou não, é necessário realizar manutenção das entradas de ar e do sistema de ventilação, já que, em casos de opacidade do vidro, eles resolvem o problema de maneira mais rápida, evitando que o motorista se arrisque ou tenha que parar o carro na via.

Cuidado ao estacionar

Vale lembrar ainda que, geralmente, chuvas fortes vêm acompanhadas de raios e quedas de árvores — sem mencionar a chuva de granizo — o que, além de bloquear vias, pode causar avarias aos veículos estacionados nos arredores.

Não há como prever se uma árvore cairá ou se a chuva que vem será capaz de derrubar algumas delas, por isso, nessa época do ano, opte por deixar o carro em áreas cobertas ou, ao menos, longe de árvores maiores.

Mais atenção ao dirigir

Além das dicas de manutenção, é sempre bom levar em conta alguns conselhos na hora de dirigir com chuva, tais como não ultrapassar a distância de segurança, reduzir a velocidade, redobrar o cuidado nas ultrapassagens e ficar atento à visibilidade.

Mais importante do que chegar logo é chegar são e salvo. Portanto, se a situação estiver muito difícil para o seu veículo, não hesite em parar no acostamento, sempre com o pisca-alerta ligado e a devida sinalização.

Fonte: Porto Seguro

O descarte inadequado de baterias é PERIGOSO!

23.04.19

Quem já trocou a bateria do seu carro já ouviu do vendedor a frase: “custa tanto na troca…”. Ou seja, sua bateria velha entra na negociação quando for comprar uma nova. Por que? O primeiro motivo é para que a sucata não acabe com o descarte inadequado. Trata-se de um produto altamente tóxico. Basta ler o rótulo de uma bateria para saber o quanto ela pode ser perigosa se descartada incorretamente. Dentro delas existem componentes químicos (como o chumbo e o ácido) que podem ser nocivos à saúde e ao ambiente.

Além do óbvio, é proibido por lei descartar produtos como a bateria no lixo comum ou em outros lugares inadequados. (Resolução CONAMA 401/08) Pesadas multas podem ser aplicadas em quem não se preocupa com o nosso ambiente.

O mais importante é que o revendedor de baterias vai direcionar a sua bateria usada para a reciclagem, o lugar final de toda bateria com defeito.

A CNH MUDOU!

23.04.19

O ano começou com algumas novidades no visual da carteira nacional de habilitação (CNH). A fim de inibir a falsificação da habilitação, uma resolução divulgada pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran) determinou que as habilitações emitidas a partir de 2 de janeiro teriam novas cores e itens de segurança.

 

 

O que muda

O documento ganhará brasões da República impressos que só serão vistos com o uso de luz negra, além de um tom mais “sóbrio” com a mudança a troca da cor azul esverdeada da tarja superior para a cor preta. Os itens de controle de segurança incluem elementos em relevo e em microimpressão, como novos fios de microletras. E mais: ganhará um código numérico de validação com base nos dados individuais de cada CNH, facilitando com que os agentes de trânsito possam validar a habilitação por meio de um aplicativo que deve ser disponibilizado pelo Denatran.

Mais mudanças para o primeiro semestre de 2017

A partir de maio, o novo documento também passa a ter o código bidimensional QR-Code, que vai conectar diretamente a CNH ao Registro Nacional de Condutores Habilitados (Renach), sem a necessidade de digitar informações.

As mudanças são válidas para todo o país a partir deste início de 2017, e trata-se de uma alteração visual, que não afeta o processo de habilitação. Ou seja, os condutores não precisam fazer a troca antecipada, pois os documentos atuais serão reconhecidos até a validade ou até que o condutor solicite alguma alteração de dados.

Dicas para a instalação da Bateria Automotiva

22.04.19

A Bateria Automotiva é um dos componentes mais importantes do seu carro e tem como principal função fornecer energia elétrica para o motor de arranque, unidade de comando e sistema de ignição eletrônica possibilitando assim que o motor possa entrar em funcionamento, a bateria também tem a responsabilidade de alimentar todo o sistema elétrico do automóvel quando o motor não esta ligado. Apesar da instalação da bateria automotiva ser um procedimento simples, devemos ter alguns cuidados e seguir alguns passos para que não se tenha surpresas desagradáveis como curtos, descarregamentos e vários outros problemas causados por uma substituição errada deste componente.

Procedimento de instalação da Bateria para Automóveis:

  • Instale somente o modelo de bateria recomendado pelo fabricante do automóvel, para isso consulte o manual do proprietário ou um catálogo de aplicações da marca de bateria automotiva escolhida por você;
  • Confira com teste de baterias se a mesma esta totalmente carregada (tensão acima de 12,3) e se não esta fora da data limite de venda, ou seja, se não passou muito tempo desde de a fabricação da bateria até a data em que foi efetuada a compra.
  • Desligue todos os componentes elétricos (faróis, setas, limpadores rádios, etc), antes de fazer a instalação.
  • Ao instalar a bateria conecte o cabo positivo primeiro e só depois de apertado conecte o cabo negativo( para retirar a bateria inverta este procedimento), sempre com o devido cuidado para que a ligação não esteja invertida, o que pode causar vários danos ao sistema elétrico do veiculo.
  • Verifique se o contato entre os terminais do cabos e os pólos da bateria esteja bom, a limpeza dos pólos e dos terminais é essencial para um contato melhor e não passe nenhum produto químico (graxa, óleo e outros) nos terminais.
  • Certifique-se que a bateria esteja bem fixada e se não ficou algum objeto (porcas, parafusos, chaves) que possa perfurar a caixa da bateria.
  • Após realizar os tópicos a cima confirme se o alternador ou gerador, motor de partida estão funcionando corretamente e se não há fugas de corrente que possam causar um descarregamento prematuro da bateria.

Se as dicas acima forem seguidas corretamente sua bateria automotiva será instalada sem nenhum problema e com certeza seu carro vai agradecer.

Solicite orçamento