Qual a hora certa de trocar a bateria do carro?

06.10.20

A bateria de um veículo dura em média de 2 a 3 anos. Porém, muitas pessoas não sabem a hora ideal de trocá-la e, por isso, acabam passando por problemas como, por exemplo, tentar dar partida no carro de manhã cedo e ele não ligar. Por sorte, para evitar esses contratempos, a própria bateria dá alguns sinais de que está prestes a acabar. Apesar da manutenção ser barata e rápida, a maioria dos motoristas prefere trocar esse dispositivo logo. 

 

E para que serve a bateria? Ela é um dispositivo que acumula energia em forma química e, quando o carro precisa, transforma em energia elétrica. É útil para dar partida no motor e manter alguns equipamentos ativos, como as luzes, rádio e alarmes. O carro estando ligado, é o alternador que alimenta a energia desses componentes. Por isso, é importante saber diferenciar os sintomas para saber se o problema é na bateria ou alternador (ou nos dois). Mas afinal, quais são esses sintomas? Continue lendo e confira!     

 

Partida: 

 

Quando a partida fica mais difícil, principalmente pela manhã e em climas frios, pode ser um sinal de que está chegando a hora de trocar a bateria. O motorista pode sentir o motor pesado e difícil para funcionar. Afinal, quanto mais nova ela está, mais fácil é para dar a partida. Então, quando vai ficando mais velha, mais demorado fica.

 

Luzes do painel: 

 

Normalmente, quando o carro está desligado e o motorista gira as chaves apenas uma vez, as luzes acendem e ficam claras do mesmo jeito como se o veículo estivesse ligado. Mas se o painel estiver com as luzes fracas ou apagadas, então pode significar que a bateria precisa ser trocada. Afinal, na medida em que a bateria vai ficando velha, ela já não aguenta mais realizar funções simples como essa. 

 

Sistemas elétricos: 

 

Quando a bateria está perto de acabar, os sistemas elétricos do carro como, por exemplo, alarme, vidros elétricos, aquecedores e ar condicionado, começam a falhar. Ou seja, o desempenho despenca. 

 

Ignição: 

 

Quando o carro não quer pegar de maneira nenhuma e o motorista precisa recorrer a certas “gambiarras” para fazê-lo pegar, como a famosa “chupeta” (transferência da energia a partir de outro carro), então significa que a bateria morreu de vez. 

 

Se você notar algum desses sintomas no seu carro e acha que a bateria está acabando, é só passar em alguma loja de baterias que na maioria das vezes eles fazem um teste elétrico grátis. Se você estiver dirigindo, e a bateria descarregar, você pode fazer uma chupeta. Muitas pessoas tentam fazer o carro pegar no tranco, porém, isso não é aconselhado pois pode danificar vários componentes.

 

Agora, se realmente a bateria tiver acabado, vários lojas de baterias contam com um serviço de motoboy que pode levar uma nova bateria até onde você está. É bom ficar atento também para não instalar uma nova bateria de modelo errado para seu carro, pois isso pode gerar problemas maiores para o sistema do veículo. 

 

E lembre-se: procure sempre uma ajuda profissional! É raro o carro parar de funcionar do nada. Os sinais estão aí para fazer o motorista perceber que tem algo errado e fazer as alterações antes de adquirir problemas e maiores dores de cabeça. 

Curtiu a dica? Siga-nos no instagram @sosbateria para ficar por dentro de mais conteúdos como esse!

Cinema Drive-In: é possível frequentar o lugar sem ter um carro próprio? Saiba mais!

05.10.20

A pandemia do coronavírus chegou ao Brasil em março e, para combater a propagação do vírus, algumas medidas de proteção foram tomadas como, por exemplo, o isolamento social. Muitas pessoas precisaram adaptar suas rotinas e começaram a trabalhar estilo “home office” ou a ter aulas à distância. No entanto, muitos setores sofreram com esse distanciamento, principalmente o do comércio e entretenimento. Foi a partir disso que o número de lojas online e delivery cresceu. Visando trazer um pouco de diversão para quem estava em casa, também foi nesse período que as lives dos artistas surgiram e ficaram famosas.

 

Porém, desde o mês de agosto, as pessoas já estão voltando às suas rotinas. Mas claro, ainda com medidas de proteção obrigatórias, como o uso de máscara, álcool em gel e limite de pessoas por ambiente. Contudo, bares, cinemas e festas, por exemplo, ainda não estão funcionando normalmente, ou seja, as formas de diversão ainda são bem limitadas. Pensando nisso, surgiu a retomada do cinema drive-in. Famoso nos EUA, principalmente, entre os anos 50 e 60, o cinema drive-in nada mais é do que a exibição de filmes para o público acompanhar dentro de seus carros.

 

A dúvida de muitos, no entanto, é: “É obrigatório ter um carro próprio para frequentar esse tipo de cinema?”. Bom, a resposta é não! Algumas empresas para locação de carros viram nesse momento uma oportunidade e, por isso, começaram a disponibilizar o serviço de aluguel de veículo por um curto período de tempo. Tempo esse que é ideal para assistir um filme ou para ir a qualquer outro evento drive-in. 

 

Em muitos lugares do Brasil, essas empresas estão alugando os carros da seguinte forma: primeiro, o motorista faz seu cadastro no aplicativo do estabelecimento e espera seus dados pessoais junto com a CNH serem aprovados. Depois de aprovado, o usuário pode escolher um dos automóveis disponíveis, reservar um horário e ir buscá-lo no canto de retirada mais próximo. A reserva de horário para devolução e pagamento do serviço também são feitos pelo aplicativo. Já os preços variam de acordo com o modelo de veículo escolhido e do tanto de horas que ele vai ser usado. 

 

Aqui em Fortaleza-CE já existem esses cinemas ao ar livre em funcionamento. O Imprensa Cine Drive-in (no estacionamento do Imprensa Food Square) e o Go Dream (no estacionamento do Centro de Eventos do Ceará) são um exemplo deles. A venda dos ingressos é feita no site desses estabelecimentos e, se você precisar ir ao banheiro ou sair para comprar algo, é só agendar por aplicativo. Tudo foi pensado para evitar a aglomeração e facilitar a vida dos usuários. No entanto, vale lembrar que o uso de máscaras e álcool em gel dentro e fora do carro, e a limpeza do mesmo, continua sendo importante para evitar a contaminação pelo vírus. 

Curtiu a dica? Siga-nos no instagram @sosbateria para ficar por dentro de mais conteúdos como esse!

Higienize seu carro corretamente para evitar o coronavírus. Confira as dicas!

23.09.20

     Em março deste ano, a pandemia do coronavírus surgiu fazendo com que todas as pessoas ao redor do mundo mudassem suas rotinas e seus hábitos. O isolamento social foi uma das melhores e principais medidas para conter o avanço da contaminação pelo vírus. Por isso, foram meses em casa, trabalhando de home office, aprendendo coisas novas e buscando alternativas para ocupar o tempo. No entanto, já estamos no mês de setembro e, com os casos de contaminação diminuindo gradativamente, a rotina já está voltando ao “normal”. Restaurantes e barracas de praia, por exemplo, já abriram. Mas claro, com todas as medidas de proteção possíveis, como número limitado de pessoas em certos ambientes, uso de máscaras e álcool em gel.  

    Pensando nisso, algumas pessoas que estão saindo do home office para voltar a trabalhar presencialmente, estão preferindo ir ao trabalho em seus carros, tentando evitar assim, ônibus lotados e possíveis contaminações. Porém, é preciso entender que essa medida de prevenção só é eficaz se o carro for higienizado constantemente. Quer saber algumas dicas que podem fazer a diferença para deixar seu carro limpo e evitar contaminações? Então continue lendo e se previna!  

  1. Ande com as janelas do seu carro abertas 

    Nesse momento crítico, é importante estar em ambientes arejados e, com o carro não seria diferente. Andar com as janelas do carro abertas ajuda a fazer com que o ar dentro do veículo circule, principalmente, se tiver mais de uma pessoa nele. Com as janelas fechadas, por exemplo, o risco do vírus permanecer no interior do automóvel é maior. De qualquer forma, se você por algum motivo preferir usar o ar-condicionado, não se esqueça de manter sempre o filtro limpo. 

  1. Evite dar caronas 

    Estar próximo a muitas pessoas possibilita que o vírus se espalhe mais rápido. Por isso, evite dar carona, principalmente, se for para pessoas que não estão no seu convívio. E, se por algum motivo você precisar fazer isso, não se esqueça de limpar o carro antes e depois da carona e se certificar que todas as pessoas estão usando máscara, inclusive você.  

  1.  Limpeza do carro 

    O álcool 70% é fundamental para combater o coronavírus, mas, infelizmente, ele pode danificar as peças do carro. Porém, isso não é motivo para deixar a limpeza do automóvel de lado. Você pode fazer uma mistura de água e sabão e, com o auxílio de um pano, passar por todo o carro, principalmente nas maçanetas, bancos, câmbio e painel. Especialistas também indicam que a lavagem do carro deve ser feita pelo menos de 15 em 15 dias, ou, se possível, toda semana, dando atenção principalmente para os pneus, tapetes e estofados. 

A luta contra o coronavírus começa em casa e se estende por onde nós vamos. Sozinhas, essas medidas de prevenção não parecem ser tão eficazes, porém, juntas elas têm o poder de salvar uma vida. Por isso, ao sair, seja a pé, de ônibus ou de carro, não se esqueça de usar máscara e álcool em gel. Essa é uma luta de todos!

Quais são os documentos necessários para transferência de veículo?

28.08.20

 

    Você quer vender ou realizar o desejo de ter um carro próprio comprando um usado? Então,
provavelmente, você já ouviu falar da transferência de veículo, que nada mais é do que um
procedimento feito para passar o automóvel adiante, registrando a mudança de proprietário. Esse
processo é feito no Detran – Departamento Estadual de Trânsito e, pela lei descrita no Código de

    Trânsito Brasileiro – CTB, essa transferência deve ser feita até 30 dias após a compra ou venda do
veículo. Se esse prazo não for cumprido, o proprietário vai pagar uma multa de quase R$200,00 e
pode perder cinco pontos na carteira. A mudança também inclui a emissão de CRV (Certificado de
Registro de Veículo) e a CRLV (Certificado de Registro de Licenciamento do Veículo).

    Para fazer essa transferência, primeiramente, o vendedor, junto ao comprador, precisa analisar se o
veículo tem alguma multa, imposto atrasado ou cobrança em aberto. No site do Detran, informando a
placa do carro, você descobre todas essas informações. Depois, é preciso atualizar os dados do
cadastro do veículo para proteger o novo dono de possíveis problemas. O preenchimento do
formulário também pode ser feito pelo site do Detran. Por último, é necessário pagar o DAE,
Documento de Arrecadação Estadual, fazer uma vistoria e depois solicitar um novo CRV e CRLV,
documentos citados acima.

    Mas afinal, quais são os documentos necessários para essa transferência de veículo?

  • Cópia e original de algum documento com foto, como a identidade, CPF ou Carteira
    Nacional de Habilitação (CNH);
  • Cópia do comprovante de endereço dos últimos três meses;
  • Comprovante de quitação débitos, como IPVA, licenciamento e multas;
  • CRV do dono anterior, preenchido e certificado;
  • Formulário do RENAVAM preenchido em duas vias.

    Os documentos podem variar de acordo com o estado e, se o comprador e vendedor não forem do
mesmo município, é preciso fazer um novo emplacamento. Se a transferência do carro não for feita,
além da multa, o antigo dono poderá pagar as possíveis novas multas e infrações. Já o novo
proprietário, não irá conseguir pagar o seguro.
Esses documentos são necessários para evitar possíveis golpes. É importante também conferir se os
dados do carro estão em ordem e se os vendedores estão com alguma pendência na receita federal.
Então, fique de olho nessas dicas e evite que esse momento de felicidade se transforme em um
pesadelo.

Confira os carros mais buscados pelos brasileiros no primeiro semestre de 2020

19.08.20

   

 

A Webmotors Autoinsighs, site de notícias automotivas, divulgou um levantamento que mostra quais foram as marcas mais procuradas pelos brasileiros em sua plataforma no primeiro semestre de 2020. Algumas marcas que antes eram preferência dos consumidores, mesmo com a pandemia do Covid-19, continuam tendo uma alta nas buscas. É o caso da Volkswagen e Chevrolet, por exemplo. 

 

    Com um estoque de mais de 450 mil veículos novos e usados anunciados em seu site, o estudo feito pela Webmotors mostra também a preferência dos consumidores em relação a modelos e carrocerias mais pesquisadas desde o começo do ano. Quer saber quais são? Então continua lendo o post e se liga nas listas que a gente preparou para você!

  • Marcas mais procuradas: 
  1. Volkswagen
  2. Chevrolet
  3. Fiat
  4. Ford
  5. Honda
  • Modelos mais procurados:
  1. Honda Civic
  2. Toyota Corolla
  3. Volkswagen Golf
  4. Volkswagen Gol
  5. Chevrolet Onix
  • Carrocerias mais procuradas:  
  1. Sedã
  2. Hatchback
  3. Utilitário esportivo
  4. Picape
  5. Conversível

    Em comparação ao mesmo período no ano de 2019, a busca por veículos na plataforma da Webmotors só aumentou. Isso aconteceu porque, com as medidas de isolamento social para diminuir o contágio pelo coronavírus, as pessoas tiveram mais tempo para fazer essas pesquisas online. A procura por carros considerados premium, como BMW e Land Rover, por exemplo, também cresceram. A explicação dada pela pesquisa é que, durante esse período de quarentena, surgiram muitos anúncios referente a esses carros e, por isso, as pessoas estão aproveitando para fazer propostas comerciais por um preço mais barato. 

    De acordo com Eduardo Jurcevic, CEO da Webmotors, apesar do aumento de buscas por esses carros novos e usados, as vendas diminuíram bastante. Com a pandemia refletindo diretamente na economia mundial, as pessoas estão adiando a compra de veículos, porém, ao que tudo indica, pretendem adquirir o carro próprio ainda esse ano! 

Curtiu a dica? Siga-nos no instagram @sosbateria para ficar por dentro de mais conteúdos como esse!

Para onde vai o dinheiro do IPVA?

13.08.20

O Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores, mais conhecido como IPVA, é um dos maiores impostos que o dono de um veículo terrestre automotor (como os carros e motos) precisa pagar logo no começo do ano. Ele surgiu para substituir a antiga TRU (Taxa Rodoviária Única), criada em 1969 e  que servia para financiar a expansão das rodovias brasileiras. É graças a TRU que surgiu as principais avenidas do país, afinal, era com a contribuição desse dinheiro que o governo da época fazia a conservação e construção das rodovias federais.

Depois, em 1986, entrou em vigor o IPVA, que diferente da taxa rodoviária, não possui relação com prestação de serviços. Porém, o dinheiro arrecadado serve para pagar alguns custos da administração pública, como o salário de servidores e professores da rede pública. O valor do IPVA é definido pelo governo a partir de um cálculo com base no preço de mercado do automóvel e pode ser parcelado em até três vezes. Como esse valor só é para veículos terrestres automotores, então os únicos transportes que não precisam pagar esse imposto são as embarcações e aviões. Os estados que têm esse valor mais caro são: São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. 

E como o IPVA é um imposto, o não pagamento dele é considerado uma infração grave. O licenciamento do carro, por exemplo, é feito após o motorista quitar o IPVA e, se ele for pego com esse imposto atraso, pode levar uma multa ou até mesmo ter seu carro recolhido. E os problemas não param por aí! Se o veículo for removido, o dono ainda precisa pagar pelos gastos dos dias em que ele ficou parado no pátio do DETRAN e, se após 90 dias ninguém for lá buscá-lo, o automóvel vai a leilão.

Mas afinal, para onde vai todo esse dinheiro arrecadado? 

Como o IPVA é de responsabilidade dos estados e municípios, 40% vai para o município onde o automóvel foi registrado e outros 40% vão para o estado. Depois, esse valor é levado para administração pública, sendo investido tanto na área da saúde, educação e segurança, como em outros serviços destinados à sociedade. O resto, 20%, é definido por lei para ser destinado à FUNDEB (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica). 

Curtiu a dica? Siga-nos no instagram @sosbateria para ficar por dentro de mais conteúdos como esse!

 

Saiba como identificar quilometragem adulterada e evitar fraudes

05.08.20

Comprar um automóvel não é mais uma questão de luxo, mas, de necessidade! Por esse motivo, a busca pelo carro próprio vem crescendo ao longo dos anos. A procura maior é dentro do setor de veículos usados e seminovos. Preço baixo, economia na documentação e seguro mais barato, são alguns dos fatores que  fazem o comprador preferir um carro de segunda mão. Mas, apesar de todos esses benefícios, se o carro não for bem cuidado, ele pode apresentar alguns problemas mais na frente.

A principal coisa que deve ser analisada, é a quilometragem do carro. E sabe por que? Além de estar ligada à durabilidade de um veículo, a quilometragem é, praticamente, o seu histórico de uso. O problema é que, para vender logo, muitos golpistas usam métodos que alteram as informações mostradas no painel do carro. Na maioria das vezes, eles diminuem a quilometragem e tiram os alertas de segurança. Além de aumentar o valor do carro, eles conseguem enganar o futuro comprador e colocar sua segurança em risco. Então, como saber se o carro teve a quilometragem adulterada ou não? Confira algumas dicas práticas e evite futuras dores de cabeças! 

  • Analisar toda a documentação: 

É importante conferir a situação do carro nos órgãos oficiais, como o DETRAN. Assim  você pode ver o ano de fabricação do modelo. Lá eles vão dar também o Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo (CRLV). Esse documento informa sobre a cor do automóvel, placa, tipo de combustível que ele consome, potência e diversas outras informações. Nele você também fica sabendo se o carro foi pago por inteiro, ou seja, se o antigo dono deixou uma dívida pendente ou não.

  • Conferir o manual do proprietário:

Provavelmente, o carro apesar de ser semi novo vai vir com o manual de instruções. É nesse manual que estão as revisões feitas no veículo. Se o procedimento tiver sido feito em concessionária, vai ter o carimbo. Se tiver sido feito em oficina, vai ter a nota fiscal. Assim, tem como você ver qual a quilometragem constava no carro quando foi realizado cada um desses procedimentos e as respectivas datas. 

  • Trocas de óleo: 

Na maioria das vezes, quando o óleo do carro é trocado, a pessoa responsável coloca um adesivo dentro do veículo (ou no para-brisas) informando a quilometragem dele. Em muitos casos também, a nota fiscal dessas trocas fica no porta-luvas. 

Depois de tudo isso, você também pode conferir os itens no interior do carro. Por exemplo: se os pedais, maçanetas e soleira das portas estiverem muito desgastadas, então isso pode dar um indício do verdadeiro tempo de uso do veículo. E fique atento: adulterar a quilometragem é crime! Então fique de olho nessas dicas, coloque em prática na hora de comprar seu carro usado e evite problemas futuros!

Curtiu a dica? Siga-nos no instagram @sosbateria para ficar por dentro de mais conteúdos como esse! 

 

Por que o celular demora a carregar no carro?

04.08.20

Um dos principais problemas enfrentados por praticamente todo mundo que conta com um Smartphone mais moderno está diretamente com a bateria e com o seu tempo de duração.

Afinal de contas, os celulares acabaram concentrando uma grande quantidade de utilidades, ao mesmo tempo que as baterias não evoluíram o suficiente.

O resultado é que as pessoas estão sempre procurando por um ponto de energia para carregar o Smartphone. E o carro acabou aparecendo como uma alternativa interessante para carregar os aparelhos, uma vez que eles contam com saídas de energia instaladas estrategicamente.

O sistema elétrico do carro, formado basicamente por bateria e alternador, têm objetivos mais “nobres” do que gerar energia para portas USB.

A bateria tem a função de alimentar sistemas eletrônicos como faróis e rádio quando o carro está desligado e também é a responsável por movimentar o motor de arranque e alimentar o sistema de injeção eletrônica quando o veículo está em funcionamento.

Já ao alternador cabe converter energia cinética, proveniente do giro do motor, em elétrica. Com isso, ele recarrega a bateria e também alimenta sistemas elétricos do carro quando ele está em funcionamento.

O resultado disso é que a corrente de energia, medida em amperes, é bem baixa em portas USB dos carros. Com pouca carga, essas portas têm uma função mais ligada à conexão dos celulares com os sistemas de entretenimento do carro do que à recarga desses aparelhos.

Curtiu a dica? Siga-nos no instagram @sosbateria para ficar por dentro de mais conteúdos como esse! 

 

Vida útil da bateria

22.07.20

A bateria do automóvel é uma peça importante para que seu carro ligue e funcione normalmente. Ela é constituída de placas de chumbo (positivas e negativas) e solução de ácido sulfúrico (eletrólito), que ficam alojados dentro de uma caixa plástica. 

 

Quanto tempo dura uma bateria de carro?

É preciso saber que a vida útil do equipamento varia muito. Porém, é inegável que existem marcas com maior durabilidade. Segundo especialistas, há baterias que tem em média, uma durabilidade de 2 a 3 anos, mas esse tempo de vida útil pode cair pela metade se o dono do automóvel não tiver os devidos cuidados.

 

Quais os fatores que diminuem o tempo de vida útil da bateria automotiva?

Temperatura

O calor e o frio são os elementos que mais influenciam a condução de eletricidade. Assim, como os polos da bateria, liga de chumbo e o fios dos terminais do veículo conectados  à bateria são feitos de metal, as temperaturas extremas mudam a forma de reação dessas peças, o que altera sua capacidade de transmitir energia. No entanto, é comum que a bateria puxe mais energia durante o frio. Isso acontece devido a retração das peças que geram uma sobrecarga de calor, quando as reações químicas são aceleradas, em contrapartida, as altas temperaturas alteram a reação interna da bateria, e consequentemente acelera o processo de corrosão das ligas de chumbo, antecipando a morte natural.

 

Uso de faróis, lâmpadas internas e rádio

Naturalmente, a vida útil da bateria automotiva diminui se você usá-la com mais frequência ou intensidade. Observar o seu uso e os dispositivos elétricos são duas formas de saber quanto tempo dura uma bateria de carro. Não os deixe ligados  com o veículo desligado, pois eles aumentam o consumo de energia, o que com o tempo pode diminuir a longevidade da peça.

 

Sujeira nas conexões

Com o passar do tempo, todas as peças, sejam de um carro zero quilômetro ou antigo, podem se desgastar e ficar sujas. Isso é algo normal, porém, quando você não limpa os itens do automóvel, pode causar uma série de problemas no seu funcionamento, inclusive afetar a longevidade da bateria.

 

Veículo parado

Quando o automóvel fica estacionado por longos períodos de tempo, mais de um mês, por exemplo, isso pode descarregar a peça. Mesmo que você não ligue algum dispositivo, a própria estrutura do carro vai puxar alguma energia passivamente, o que desgasta ainda mais as células da peça. Sendo assim, recomenda-se deixar um responsável para funcionar o veículo por 5 minutos regularmente.

 

O que fazer para aumentar a durabilidade?

Limpe os terminais da bateria

Se você deseja saber quanto tempo dura uma bateria de carro e como aumentar a durabilidade da peça, a primeira dica é limpar os terminais. Esse é um procedimento padrão que pode prolongar a vida útil. Por isso, sempre que você tiver problemas para dar a partida do automóvel, observe a peça e veja se ela precisa de algum reparo. Faça o mesmo em verificações de rotina, o procedimento costuma ser simples e rápido. Para fazer, basta passar um pouco de bicarbonato de sódio com água, esperar a espuma aparecer, removê-la e secar bem.

Manutenção veicular garante trânsito mais seguro para todos

22.07.20

O Grupo de Manutenção Automotiva (GMA), que reúne as entidades do setor de reposição automotiva (Sindipeças, Andap, Sincopeças-SP e Sindirepa-SP) alerta para a falta de manutenção de veículos e as consequências no trânsito. “Mais do que provocar longos congestionamentos, uma vez que um veículo parado em via de grande circulação pode ocasionar mais de 3 quilômetros de congestionamento, carros, motos, caminhões e ônibus sem manutenção em dia podem provocar acidentes”, afirma o coordenador do GMA e conselheiro do Sindipeças para o mercado de reposição.

 

Como não há fiscalização de itens de segurança para verificação do estado de freios, pneus, amortecedores, entre outros itens, não é possível saber se os mais de 41 milhões de veículos que rodam pelo País estão em boas condições. 

 

A inspeção técnica veicular é uma medida importante para a segurança no trânsito. Implantada em mais de 50 países, conseguiu reduzir os índices de acidentes. Por aqui, o projeto de lei sobre o assunto está parado no Congresso Nacional há mais de uma década. Enquanto isso, nos deparamos todos os dias com notícias de acidentes que provocam mortes. O Brasil, infelizmente, possui um alto índice de acidentes de trânsito. Boa parte poderia ser evitada se os veículos estivessem com a manutenção em dia.

 

Diante da falta de legislação específica para garantir mais rigor na verificação dos itens dos veículos, cabe ao motorista ter a consciência da importância de cuidar do carro de forma preventiva, seguindo as recomendações do manual do fabricante. Veículos com peças relacionadas ao sistema de freio, suspensão e pneus que apresentam desgastes estão mais sujeitos a acidentes, pois se for necessário acioná-los, não terão a eficiência necessária.

Você sabe o motivo da falta de eficiência do freio do seu carro?

20.07.20

    O sistema de freio é interligado com o sistema de admissão do motor para auxílio do mecanismo de acionamento do pedal. O sistema de admissão trabalha sempre em depressão (pressões abaixo da pressão atmosférica)

Esta depressão atua no sistema de freio fazendo com que o pedal de acionamento necessite uma carga menor vindo do condutor. Quando o motor que não conta com start/stop é desligado, o sistema de freio deixa de ter a depressão, encontrada no sistema de admissão, atuando em seus componentes.

Nesta hora o pedal fica duro e a força necessária para o acionamento é muito alta, em muitos casos é comum que o condutor não freie a tempo e cause um acidente. Ao desligar o veículo, o condutor está assumindo uma situação de risco e culpa, caso algum acidente venha a acontecer.

Apesar de se encontrar no trânsito com as vias em baixas velocidades médias, o tempo de reação para alguma anormalidade deve ser baixo e com o veículo desligado este tempo de reação passa a ser infinito, a partir do momento que uma situação de risco ocorre em questão de milissegundo.

 

Direção hidráulica, elétrica e eletro-hidráulica: qual é a diferença?

26.06.20

Há mais de uma década, o sistema de direção hidráulica dominou o mercado e passou a equipar inclusive os modelos de entrada. Nos últimos anos, as assistências elétrica e eletro-hidráulica para a direção também se tornaram comuns. E esses mecanismos, como todos os outros que compõem o automóvel, requerem alguns cuidados.

O blog AutoPapo fez uma consulta com o engenheiro mecânico da SAE Brasi, Erwin Franieck, que falou um pouco sobre a diferença entre eles e os cuidados exigidos por cada mecanismo. Confira só: 

  • O que é direção hidráulica?

A assistência hidráulica da direção é a mais antiga utilizada pela indústria. “Esse sistema tem uma bomba hidráulica, movimentada pelo próprio motor do veículo”, explica Franieck. Tal componente pressuriza um circuito preenchido com fluido, reduzindo o esforço para movimentar a direção.

  • Cuidados e manutenção

No caso desse tipo de sistema, o motorista precisa ficar atento aos prazos de troca do fluido. “Todo óleo oxida quando fica em contato com metal, e o da direção hidráulica não é exceção”, adverte Franieck. Quando isso ocorre, o óleo perde parte de suas propriedades. Consequentemente, os componentes ficarão expostos a maior desgaste.

A boa notícia é que, no caso do fluido da direção hidráulica, essa substituição não precisa ser feita com muita frequência. Todavia, isso acaba colaborando para que alguns proprietários simplesmente se esqueçam dela. Para conhecer os prazos de troca, basta consultar o manual do veículo.

O nível desse fluido pode ser monitorado diretamente no reservatório, localizado no cofre do motor, que é transparente e traz indicações de mínimo e máximo. Em condições normais, o nível não sofre grandes variações. Por isso, se o óleo estiver baixando, provavelmente há um vazamento no sistema.

Outra recomendação do especialista da SAE Brasil é que o motorista evite ficar forçando o volante no fim de seu curso. É que, nesse ponto, quando o sistema atinge o batente, a pressão do fluido do sistema hidráulico da direção chega ao nível máximo.

Franieck esclarece que, quando a direção atinge o batente, o sistema de assistência não tem mais efeito algum. “Existe uma válvula de alívio que faz o óleo retornar para dentro da bomba, para evitar vazamentos. Mas, de qualquer modo, o sistema sofre um esforço desnecessário”, pontua.

  • Direção eletro-hidráulica

A direção eletro-hidráulica tem várias similaridades com a hidráulica convencional. Nesse sistema, também há um circuito fechado preenchido com fluido; a diferença é que a bomba de óleo é substituída por um motor elétrico.

Assim como ocorre no sistema de assistência hidráulica, o fluido da direção eletro-hidráulica deve ser substituído periodicamente, de acordo com as instruções do manual do proprietário. Segundo Franieck, a orientação para não forçar repetitivamente o volante contra o batente também continua valendo.

“Esse sistema é mais constante, porque não depende da rotação do motor. Por isso, ele alivia o consumo (de combustível) e é mais confortável para o motorista”, sintetiza o engenheiro da SAE Brasil.

  • E como funciona a direção elétrica?

A direção elétrica “é o sistema do futuro, ideal inclusive para carros elétricos e híbridos”, afirma Franieck. Nele, a assistência também é feita por um motor elétrico. Entretanto, não há fluido, e sim dois mancais que trabalham a seco. “Há toda uma rede de sensores, em separado, que envia informações para um módulo eletrônico. Então, esse módulo comanda o sistema de acordo com o giro do volante”, elucida.

Uma das vantagens desse sistema é justamente a de não existir necessidade de troca periódica de fluido. De acordo com o engenheiro, tampouco há sobrecarga ou pressão excessiva quando a direção atinge o batente.

Porém, isso não significa que a direção elétrica dispense qualquer tipo de cuidado. Franieck destaca que esse tipo de sistema faz com que o volante tenha menor sensibilidade a obstáculos como meio-fios ou valas. Por isso, o condutor pode nem perceber se o veículo atingir acidentalmente alguma dessas barreiras em manobras de estacionamento. E, caso fique forçando a roda contra a guia, os esforços internos tornam-se muito elevados.

Outra questão é que, apesar de dispensarem manutenções periódicas, os sistemas de assistência elétrica à direção não são completamente imunes a defeitos. Franieck salienta que esses mecanismos têm recursos de diagnose, que detectam falhas acionam uma luz no painel. Porém, quando isso ocorre, o motorista não pode ser negligente. “Quando esse alerta se acende, o motorista deve procurar logo uma oficina”, aconselha.

Curtiu a dica? Siga-nos no instagram @sosbateria para ficar por dentro de mais conteúdos como esse! 

Fonte: Blog AutoPapo

 

Aplicativo de multas dá até 40% de desconto

17.06.20

O Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) agora disponibiliza um aplicativo de multas de trânsito que concede até 40% de desconto para motoristas e proprietários de veículos que quitarem suas infrações pela plataforma. O software, disponível em 18 Estados brasileiros, tem como intuito a redução de despesas e a agilidade no pagamento de autuações.

A plataforma atua em parceria com os Departamentos Estaduais de Trânsito (Detrans), Polícia Federal, Agência Nacional de Transportes Terrestres e Departamento Nacional de Infra-estrutura de Trânsito de São Paulo.

O Sistema de Notificação Eletrônica (SNE) é gratuito e está disponível para Android ou iOS nas lojas App Store e Google Play.

Depois de fazer o download, basta fazer o cadastro no aplicativo de multas, seguindo os passos abaixo:

  • Para cidadãos habilitados, preencher os campos: CPF, e-mail, senha, Registro da CNH (Carteira Nacional de Habilitação) e o Código de Segurança.
  • Para cidadãos não habilitados, mas que possuem veículos registrados em seu nome, os dados a serem preenchidos são: CPF, e-mail, senha e o Código de Segurança do CRV (Certificado de Registro de Veículo).
  • Dados preenchidos, o cidadão vai receber um link por e-mail (enviado pelo endereço portalservicos@portalservicos.denatran.serpro.gov.br) com informações para ativação da conta.
  • Para adicionar veículos, abra o aplicativo de multas e selecione a opção “Cadastrar Veículo” incluir um ou mais veículos de sua propriedade. Para isso, preencha os campos “Placa” e “RENAVAM” (Registro Nacional de Veículos Automotores) e confirme a adesão do veículo.

Assim que os cadastros forem feitos, o motorista ou proprietário de veículo vai receber as notificações de multa no celular e poderá gerar um código de barras para fazer o pagamento em qualquer caixa eletrônico ou no site do seu banco.

As infrações de trânsito podem ser pagas com até 40% de desconto, caso o motorista opte por aderir ao SNE e reconheça o cometimento da infração. Caso não reconheça a infração, ainda haverá o desconto de 20% para pagamento de suas infrações antes do prazo de vencimento.

O SNE também permite que o usuário indique o real infrator da notificação.

O que você precisa saber

Ao fazer o cadastro no aplicativo SNE, o proprietário deixa de receber as notificações de infrações impressas pelo Correio. Continuarão sendo enviadas as infrações registradas por órgãos que ainda não fizeram a adesão ao sistema.

Por questões de segurança e sigilo de informações de terceiros, somente o proprietário pode visualizar as notificações de infrações registradas para o veículo.

Estados em que o aplicativo de multas está disponível

  1. Acre
  2. Alagoas
  3. Amapá
  4. Bahia
  5. Ceará
  6. Distrito Federal
  7. Goiás
  8. Mato Grosso do Sul
  9. Mato Grosso
  10. Paraíba
  11. Pernambuco
  12. Rio de Janeiro
  13. Rio Grande do Norte
  14. Rondônia
  15. Roraima
  16. Santa Catarina
  17. Sergipe
  18. São Paulo

Dicas para aumentar a vida útil da sua moto

11.06.20

As motocicletas são alternativas eficazes em meio ao caos do trânsito e às deficiências do transporte público nas grandes cidades. Para quem preza por economia e praticidade, seja no trabalho ou no lazer, elas ainda são ótimas opções de meio de transporte.

Mas é preciso estar atento aos cuidados básicos que contribuem para o aumento da vida útil do veículo. Separamos alguns que te vão ajudar a manter sua moto longe de problemas. Confira só: 

Revisões regulares

Manter as revisões em dia e optar sempre por um mecânico especializado são formas de prevenir problemas. Dentre os itens que devem ser verificados com frequência estão: óleo, pneus, freios, embreagem, bateria e velas de ignição. Os componentes elétricos também merecem atenção. Seguir esses passos são importantes, não apenas para que o veículo dure por mais tempo, mas também para ter um melhor desempenho e mais segurança para o motociclista.

Lubrificação

É preciso lubrificar os cabos do acelerador e da embreagem. A cada 12 mil km é importante verificar as condições desses componentes. Se o acionamento dos manetes estiver difícil, pode ser um sinal de falta de lubrificação ou de erro na folga. Com isso, existe o risco do cabo se romper. A mesma atenção deve ser dada aos pedais de freio e de câmbio que devem ser verificados e regulados periodicamente.

Fiação principal

Para manter a fiação principal em dia, é importante cuidar das emendas, fios ressecados, terminais oxidados e fios interrompidos, pois podem gerar curtos-circuitos e avarias em vários componentes do sistema elétrico da moto.

Corrente, coroa e pinhão

O kit relação (apelido do conjunto corrente, coroa e pinhão) exige atenção. A corrente deve estar sempre regulada, não podendo estar muito esticada ou folgada, para evitar o risco de travamento da roda ou o rompimento dos elos. A verificação e lubrificação devem ser feitas a cada 1 mil km ou sempre que a moto rodar na chuva ou em estradas de terra.

Vela de ignição

A durabilidade da vela irá depender do modelo utilizado na ignição (as de irídio têm maior vida útil), além das condições do sistema de ignição e do combustível utilizado. Quando em perfeito estado, a vela de ignição evita o consumo excessivo de combustível, a dificuldade na partida e prolonga a vida útil do motor com a queima mais linear da mistura ar/combustível.

Adaptações

Não faça adaptações de escapamentos, rodas e outros componentes que não tenham a aprovação do fabricante.

Calibragem

Os pneus devem estar sempre calibrados na pressão recomendada pelo fabricante. Rodar com o pneu murcho força o motor e aumenta o consumo de combustível. Mas não exagere: pneu muito cheio pode comprometer a suspensão e o conforto.

Limpeza

Manter a moto limpa ajuda a proteger a pintura e as partes cromadas, evitando oxidação. No entanto, essa limpeza deve ser feita com atenção, evitando o uso de produtos solventes ou abrasivos e as lavadoras de alta pressão. A cera deve ser aplicada apenas nas peças com pintura.

Filtro de ar

O filtro de ar deve ser limpo ou substituído quando a moto for usada constantemente em locais muito poluídos ou na terra.

Bomba de combustível

Para evitar danos à bomba de combustível, é importante que a troca do filtro de combustível e a limpeza do tanque sejam efetuadas periodicamente. A obstrução desse filtro e o uso de combustíveis de baixa qualidade podem levar à queima da bomba.

Seja prudente

Todas as dicas de manutenção são importantes, mas devem estar associadas à direção consciente e prudente. Respeitar as regras de trânsito também contribuem para aumentar a vida útil da moto e ainda proporcionam segurança ao motociclista. 

Curtiu a dica? Siga-nos no instagram @sosbateria para ficar por dentro de mais conteúdos como esse! 

 

9 Erros Comuns na Troca de Óleo

03.06.20

Além de ser responsável pela lubrificação, o óleo atua na prevenção do desgaste, da oxidação e da corrosão das peças do motor. Assim, o componente garante o bom desempenho do propulsor e evita prejuízos para o motorista. A lubrificação errada pode significar a redução da performance do automóvel, o aumento no consumo de combustível e até mesmo a fundição do motor. 

Veja, a seguir, nove erros que você não deve cometer na troca de óleo: 

1 – Limpar a vareta com estopa: a estopa pode deixar resíduos do óleo antigo contaminarem o novo lubrificante. Opte pelo uso do papel absorvente para limpar a vareta durante a troca do lubrificante.

2 – Passar do prazo para a troca do produto: todo fabricante estipula no Manual do Proprietário um prazo que deve ser seguido. Normalmente, o intervalo indicado é a cada 5 mil km ou 10 mil km. Utilizar o óleo além do período recomendado leva à formação de borra e compromete a capacidade de lubrificação das peças internas do motor, já que aumenta o atrito e o desgaste precoce.

3 – Completar o óleo: ao completar o óleo na troca do lubrificante, o produto novo é misturado com o usado e acaba contaminado. O resultado é um lubrificante misto e bem diferente dos dois originais, comprometendo sua eficácia, bem como o desempenho do motor. Por isso, deve-se trocar todo o óleo do cárter por um novo.

4 – Usar aditivos: Além de comprometer as propriedades do lubrificante, gerando a formação de depósitos no motor, faz você desperdiçar dinheiro e energia. Isso porque os óleos de boa qualidade presentes no mercado já contém um pacote de aditivos específicos em suas composições e atendem a todas as necessidades do veículo.

5 – Misturar lubrificantes na troca de óleo: a prática é uma das principais armadilhas para os motoristas. Muitos misturam os produtos em situações de emergência, como durante um vazamento, por exemplo. Embora não seja recomendado, é possível misturar lubrificantes de marcas diferentes, desde que tenham a mesma base (sintético, semissintético ou mineral), viscosidade e grau API e SAE. Caso contrário, há prejuízo na eficiência da lubrificação, gerando sérios riscos ao motor.

6 – Pingar óleo no motor: afeta as áreas mais críticas, entre elas, velas, câmara de combustão e catalisador. Quando um desses componentes é afetado, há aumento nos custos de manutenção e nos gastos com combustível.

7 – Bujão fechado indevidamente: bujão é como é conhecido o parafuso que fecha o dreno do cárter de óleo. O item deve ser aparafusado corretamente para evitar vazamentos. Daí, a importância de um profissional especializado fazer a troca de óleo para fechar o bujão sem excesso de força ou sem deixá-lo frouxo demais.

8 – Não trocar o filtro do óleo: o filtro conserva em seu interior um volume residual de óleo oxidado que contamina o lubrificante novo, acelerando o processo de envelhecimento. Por isso, deve ser trocado, simultaneamente, com o óleo para não carregar as impurezas retidas para dentro do motor novamente.

9 – Rodar com lubrificante acima ou abaixo do nível: deve ser evitado. Óleo no nível mínimo compromete a lubrificação já que aumenta a fricção entre as peças. Com isso, o desgaste dos componentes do motor é maior e resulta em perda de potência imediata, em excesso de calor ou mesmo na fundição do motor. E, ao contrário, rodar com lubrificante acima do nível, leva o produto a transbordar e cair em locais fora do sistema de lubrificação. Acompanhe o nível do componente e agende sua troca de óleo respeitando as necessidades do seu carro.

Curtiu a dica? Siga-nos no instagram @sosbateria para ficar por dentro de mais conteúdos como esse! 

 

3 dicas para lembrar dos sinais de trânsito

29.05.20

Memorizar os sinais e placas de trânsito são essenciais, mas muitas pessoas têm dificuldade de lembrar o significado de todos os ícones, fato que pode levar a uma reprovação no exame teórico da habilitação ou pior: a um acidente no trânsito. Por isso, separamos 3 dicas que vão te ajudar nessa jornada!⁣

Dicas para lembrar dos sinais de trânsito

Dicas para lembrar dos sinais de trânsito 1: Cores e tipos de placas de trânsito

Para não falhar na hora de decorar e aprender todos os sinais de trânsito é importante saber que eles estão organizados em categorias separadas e cada uma delas possui uma cor e característica de formato dominante. São elas:

  • Placas de regulamentação: Informa aos usuários as condições, proibições, obrigações ou restrições no uso das vias urbanas e rurais. são majoritariamente circulares, com um contorno vermelho, fundo branco e com os caracteres e informações na cor preta. Dizem respeito aos limites de velocidade, permissão ou proibição de mãos, guias e se é permitido ou não estacionar em determinado lugar. O desrespeito a estes sinais constitui infrações do Código de Trânsito Brasileiro.

  •  Placas de sinalização de obras: Têm como característica identificar seu caráter temporário; que sejam preservadas as condições de segurança e fluidez do trânsito e de acessibilidade; que os usuários sejam orientados sobre caminhos alternativos. Estas placas de trânsito são todas amarelas, com formato de losango ou retangular, com os caracteres em preto. São geralmente mais intuitivas do que as primeiras, talvez por terem mais informações combinadas com as visuais.

  •  Placas de advertência: Alerta aos usuários as condições potencialmente perigosas, obstáculos ou restrições existentes na via ou adjacentes a ela, indicando a natureza dessas situações à frente, quer sejam permanentes ou eventuais. Estes sinais de trânsito são quase todos em formato de losango de cor amarelo-neon. Indicam o que você pode ou não pode fazer naquele determinado espaço e o que o espera mais à frente (curvas, bloqueios, ruas sem saída e passagem de animais, por exemplo);

  • Placas de indicação e orientação de destino: As Placas de Identificação podem ser nas cores branca ou azul e posicionam o condutor ao longo do seu deslocamento ou com relação a distâncias ou ainda aos locais de destino. As Placas de Orientação de Destino podem ser verdes ou azuis e indicam ao condutor a direção que o mesmo deve seguir para atingir determinados lugares, orientando seu percurso e/ou distâncias.

  • Serviços auxiliares e educativas: As Placas Educativas são brancas e têm a função de educar aos usuários da via quanto ao seu comportamento adequado e seguro no trânsito. Podem conter mensagens que reforcem normas gerais de circulação. As Placas de Serviços Auxiliares são azuis e indicam aos usuários da via os locais onde os mesmos podem dispor dos serviços indicados, orientando sua direção ou identificando estes serviços. Azuis e retangulares, estes sinais de trânsito geralmente aparecem nas estradas indicando serviços próximos, como hotéis ou abastecimento. Outras aparecem nas vias urbanas, como as que indicam hospitais e estacionamentos. São também muito intuitivas e não precisam de tanta memorização como as duas primeiras;

  • Placas de atrativo turístico: As Placas de Atrativos Turísticos indicam aos usuários da via os locais onde os mesmos podem dispor de atrativos turísticos existentes, orientando sobre sua direção ou identificando estes pontos de interesse. São marrons, quadradas ou retangulares. Estas placas de trânsito sempre estão próximas aos pontos turísticos para indicar como chegar até eles ou a que distância eles se encontram.

  • Outras sinalizações: Além destes tipos principais, ainda existem as placas de Fiscalização Eletrônica, que indicam locais onde as vias são monitoradas ou fiscalizadas com lombadas, radares, etc, e os Dispositivos Auxiliares que têm a função de proteger os condutores nas questões de perigo, alinhamento e alerta.

Dicas para lembrar dos sinais de trânsito 2: Jogos e testes online

Nada melhor do que um bom joguinho ou teste para distrair a cabeça, não é mesmo? Mas, que tal aprender e memorizar um pouco mais sobre as placas de trânsito para mandar bem no seu exame teórico e na hora de dirigir? Existem alguns jogos e testes online que podem ajudar muito na hora de lembrar e entender o que cada placa significa. Nestes tipos de testes, você se empenha em aprender e nem percebe. Uma rápida pesquisa sobre memorização de placas em sites de buscas e você logo encontra alguns deles.

Dicas para lembrar dos sinais de trânsito 3: Cursos de trânsito

O último item apenas tem real serventia, se você já tem algum conhecimento ou já estudou e memorizou um pouco os sinais de trânsito. Se você não tem nenhum conhecimento, é difícil se sair bem, tanto nos jogos online como no exame teórico e na hora de dirigir. Por isto, se preparar bem e memorizar as placas de trânsito são atitudes muito importantes. Existem cursos relacionados ao trânsito, que os alunos não precisam decorar todas as placas para se sair bem. Talvez eles sejam a melhor solução para você na hora de memorizar as placas.

 

 

Tour Virtual por Museus de Carros

20.05.20

Nesta quarentena, a tecnologia tem sido nossa grande aliada. Enquanto não podemos viajar, que tal conhecermos novos lugares através de um tour virtual? Separamos alguns museus automotivos de diversas partes do mundo para que você possa conhecer sem sair de casa! Confere só: 

  1. Museu BMW

O maior acervo da marca fica em Munique (Alemanha), mas as imagens em 360 graus da galeria norte-americana permitem uma melhor visualização dos carros. A coleção conta com modelos históricos e raros da empresa.

  1. Museu Corvette

Nada melhor do que visitar a casa dessa lenda, em Kentucky, Estados Unidos. O museu foi inaugurado na década de 90 e permite um giro livre com uso da plataforma do Google para relembrar todas as edições do modelo.

  1. Museu Ferrari

O Museu Ferrari, na sede da fabricante em Maranello, não oferece uma experiência tão extensiva quanto alguns outros museus desta lista. Mas ainda conseguimos ver alguns dos carros de corrida e de rua mais icônicos que a Ferrari já produziu, desde o modelo usado por Michael Schumacher na Fórmula 1 até o LaFerrari FXX-K.

  1. Museu Honda

Atravessamos o mundo para chegar em Motegi, Japão. O museu da Honda conta com a maior variedade de produtos expostos – a coleção vai desde carros até robôs.

  1. Museu Lamborghini

Na Itália, outro museu arranca suspiros de quem gosta de supermáquinas: o da Lamborghini, em Sant’Agata Bolonhese, província de Bolonha, guarda todos os veículos produzidos pela marca em seus 56 anos de existência.

  1. Museu Mazda

Ao lado do quartel-general da Mazda, em Hiroshima, Japão, os visitantes podem andar virtualmente pelos corredores do museu da marca. Tem desde clássicos da empresa aos mais modernos e até uma exibição grandiosa dedicada aos motores da empresa, incluindo os famosos rotativos Wankel que equiparam a linha RX-7, RX-8 e outros.

  1. Museu Mercedes-Benz

O Mercedes-Benz Museum em Stuttgart é uma das coleções de carro mais impressionantes do mundo. E, enquanto o Google Maps não nos deixa visitar o espaço todo, há muitos pontos com visão em 360° para ver alguns dos melhores carros de produção, de corrida e conceitos que a empresa já fez.

  1. Museu Porsche

Agora, nosso tour virtual para em Stuttgart, Alemanha, no museu da Porsche, em uma das coleções mais interessantes entre todas as disponíveis.  Lá, podem ser vistos modelos do início do século passado, conceitos nunca mostrados e, claro, os mais famosos Porsche.

  1. Museu Toyota

A Toyota não fica atrás e permite uma visita completa ao seu acervo de carros. Localizada em Nagatuke, no Japão, a galeria expõe desde o modelo AA de 1936 até o conceito movido a hidrogênio. A exposição conta ainda com modelos de outras marcas que formam a história da indústria automotiva.

  1. Museu Volvo

O Museu Volvo fica em Gotemburgo, na Suécia. Infelizmente, você não consegue um tour completo pelo museu, mas há fotos em 360° o suficiente para aproveitar bastante os modelos exibidos.

 

Insulfilm: Quais as normas para uso?

14.05.20

O Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN) o órgão responsável por regulamentar a aplicação das películas em vidros dos veículos, mais conhecidas como Insulfilm, controlar a entrada de raios UV. 

Para aplicar Insulfilm nos vidros do veículo, é necessário seguir o que estabelece a Resolução 254/2007 do CONTRAN. Para definir quais tipos de insulfilm e quais não são, foram estabelecidos os limites de transparência que eles devem proporcionar ao veículo. Se não estiverem dentro desses parâmetros, não poderão ser usados. 

A transparência do insulfilm dependerá da localização dos vidros. Segundo o órgão responsável, nos para-brisas, o grau de transparência deve ser, no mínimo, 75%. Os vidros laterais e os demais vidros indispensáveis a dirigibilidade do veículo, precisam respeitar o limite mínimo de 70% de transparência. Os demais vidros do veículo, por sua vez, não demandam tanta transparência, sendo que o mínimo de 28% de transparência já será suficiente.

Outro item que é preciso levar em consideração se refere ao uso de películas espelhadas. Pelo efeito visual que produzem (e que pode ser um risco para demais condutores que trafegam nas vias públicas), elas NÃO estão permitidas para uso automotivo, ok? 

O que acontece se eu desobedecer às normas do CONTRAN?

Bem, desobedecer às normas do CONTRAN sobre o uso de películas automotivas é uma infração de trânsito. Para saber qual é a gravidade dessa infração, bem como suas penalidades, temos que conferir o que diz o artigo do Código de Trânsito Brasileiro(CTB). Segundo seu inciso X conduzir veículo com equipamento obrigatório em desacordo com o estabelecido pelo CONTRAN configura infração grave. O proprietário infrator terá que arcar com uma multa no valor de R$ 195,23, além de receber cinco pontos na sua carteira de motorista. Em casos assim, quando os agentes de trânsito flagrarem veículos com películas indevidas, está prevista a retenção do automóvel para regularização. 

Por que instalar películas automotivas?

Deixar de instalar películas automotivas pelo medo de levar uma multa já não é mais desculpa, correto? Já que, depois de tudo o que vimos até aqui, ficou bem claro o que pode e o que não pode ao instalar Insulfilm nos vidros do veículo. 

Mas será que o insulfilm cumpre apenas uma função estética? Não. Na verdade, as atribuições das películas são muito mais funcionais do que estéticas. Entre as principais atribuições dos insulfilm, destaco:

  • Controle da entrada de raios ultravioleta: algumas películas já conseguem bloquear em 99% a entrada de raios UV, auxiliando na prevenção de doenças, tais como o câncer de pele; 
  • Aumentar a resistência dos vidros: vidros nos quais está instalado o insulfilm são mais resistentes contra estilhaçamentos. Desse modo, se acontecer um acidente, a probabilidade de que se estilhacem pelos impactos externos é muito menor, o que significa maior segurança para condutor e passageiros; 
  • Auxílio no equilíbrio térmico: os insulfilm também atuam para propiciar um ambiente mais equilibrado. Ao diminuir a entrada de calor, a temperatura no interior do veículo é muito mais estável, diminuindo, inclusive, a necessidade de usar ar-condicionado ou de trafegar com os vidros abertos.

 

Contran libera aula teórica remota durante a pandemia

07.05.20

O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) publicou no dia 29 de Abril, no Diário Oficial da União (DOU), a Deliberação 189/20 que dispõe sobre a realização das aulas teóricas do curso de formação de condutores na modalidade de ensino remoto enquanto durar a emergência de saúde pública decorrente da pandemia de COVID-19.

Conforme o Contran, os Centros de Formação de Condutores (CFC) estão autorizados a realizar as aulas teóricas do curso de formação de condutores na modalidade de ensino remoto, desde que o candidato manifeste interesse.

O conteúdo programático, a carga horária e a duração das aulas-teóricas devem obedecer os mesmos critérios estabelecidos para as aulas teóricas.

Para ministrar a aula teórica remota é necessário que o instrutor utilize um dispositivo com acesso à internet e que possua câmera com resolução de 720 pixels. O sistema deve possibilitar a criação de perfis de usuário personalizados, pelo menos, para instrutor, candidato, Diretor de Ensino e administrador do órgão ou entidade executivo de trânsito do Estado ou do Distrito Federal, que delimitem o acesso apenas a determinadas funções.

O sistema eletrônico também deverá ser validar a biometria facial do instrutor e dos alunos, na abertura da aula, no término e monitorar a permanência dos candidatos na sala virtual durante toda a aula teórica. Além disso, deve disponibilizar interface para usuários, que permita que o instrutor compartilhe, em tempo real, seu vídeo, seu áudio e a tela do seu dispositivo, e que o candidato visualize suas aulas agendadas.

Os órgãos e entidades executivos de trânsito dos Estados e do Distrito Federal poderão estabelecer requisitos adicionais para os sistemas utilizados pelos CFC, especificamente para garantir a integração com as bases de dados locais e a harmonização com os fluxos de seus processos internos.

 

Vibração no volante: O que pode ser?

05.05.20

Vibração no volante é um problema muito comum e pode ser originado por diversos fatores como: suspensão, direção, freio, transmissão, motor ou até mesmo decorrente da falta ou excesso de pressão nos pneus. A seguir, listamos as principais causas deste problema. 

Falta de balanceamento e alinhamento

A falta do balanceamento das rodas e alinhamento de suspensão com regularidade, faz com que o veículo perca a distribuição correta de peso e os ângulos de suspensão característicos das rodas com o decorrer do uso do carro, perdendo o alinhamento e aumentando as folgas no sistema de suspensão e direção, fazendo com que o volante trepide em altas e baixas velocidades dependendo do tempo que o veículo ficou sem a manutenção.

Recomenda-se que o balanceamento e alinhamento sejam feitos a cada 10.000 km.

Defeitos na suspensão

Na maioria das vezes o problema é causado por defeito nos amortecedores (um dos componentes mais solicitados do veículo) na qual a constante de amortecimento sofre uma alteração, comprometendo o funcionamento correto da suspensão.

A alteração na função do amortecedor, pode decorrer de diversos fatores, além da peça em si. O conjunto é formado por dezenas de peças compostas de borracha: buchas, batentes, suportes, bandejas, coxins, coifas, etc. Estes elementos sofrem fadiga no dia a dia, sendo responsáveis pela absorção de impactos e é essencial que estejam com sua manutenção em dia, evitando folgas nas partes móveis da suspensão.

Outro fator que mais gera trepidações são as folgas no aperto dos componentes da suspensão. Por fim, a mola também pode gerar vibrações na suspensão quando o material perde sua constante elástica devido sua solicitação e fadiga.

Pressão dos pneus

A falta de pressão nos pneus ou pressão fora das especificações do fabricante faz com que o pneu se desgaste irregularmente, esse desgaste irregular contribui para que o atrito entre o pneu e o asfalto gere vibrações no conjunto.

Essa vibração se origina quando as partes menos desgastadas (maior atrito) entram em contato com o solo freando o movimento da roda, logo em seguida a parte mais desgastada (menos atrito) entra novamente em contato com o solo deixando o movimento da roda livre, criando um ciclo de atrito constante dos pneus com o solo, fazendo a direção vibrar.

Acionamento do freio

Isso ocorre devido a falta de alinhamento entre o disco e pastilha, pelo disco que pode estar empenado ou mesmo pela falta de aperto nos componentes do freio como pinça, pastilha e disco.

A falta de alinhamento entre os componentes transfere incorretamente a pressão das pastilhas sobre o disco, prejudicando a eficiência da frenagem e o sistema entra em ressonância gerando vibrações perceptíveis no volante do veículo.

Problemas na transmissão

Folga nas juntas homocinéticas ou mesmo, juntas quebradas, pode provocar problemas causando diferença nas rotações da saída do câmbio com as rodas, provocando trancos e até mesmo vibração no sistema que é posteriormente transferido a direção. As juntas homocinéticas podem criar folgas devido o ressecamento da borracha ou mesmo quando as coifas em mal estado permitem a passagem de poeira e água.

Rolamentos com defeito ou quebrados dificultam a rotação entre suas paredes, essa dificuldade de rotação gera vibrações que são transmitidas para o volante.

Problemas no motor

Problemas no motor também podem provocar vibrações no sistema de direção, porém, diferente dos demais problemas citados, este é mais difícil de ser detectado e pode ter diversas origens. Recomendamos que sejam feitas as manutenções programadas sempre, para evitar problemas com este e os demais componentes do veículo.

 

CONHEÇA OS 10 CARROS MAIS ECONÔMICOS DO BRASIL EM 2020

30.04.20

O Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) divulgou o ranking de consumo com os automóveis de 2020 do Brasil, incluindo até lançamentos recentes, como o Chevrolet Onix Plus que ocupa a primeira posição.

A medição é feita em MJ/km (megajoules por quilômetro) e em km/l, entregando o quanto de energia é necessário para que o carro funcione. A nota “A” é atribuída aos carro com melhor eficiência, enquanto a “E” fica para os que tiveram pior desempenho na categoria.

Vale lembrar que a lista considera apenas a versão com menor consumo de cada modelo. Veja quais são os 10 carro mais econômicos de 2020 no Brasil:

1. Chevrolet Onix Plus (Nota A)

  • Versão 1.0 LT manual
  • Consumo energético – 1,34 MJ/km
  • Consumo cidade – 10,1 km/l (etanol)
  • Consumo cidade – 14,3 km/l (gasolina)
  • Consumo estrada – 12,5 km/l (etanol)
  • Consumo estrada – 17,7 km/l (gasolina)

2. Toyota Corolla (Nota A) 

  • Versão 1.8 Altis Hybrid CVT
  • Consumo energético – 1,38 MJ/km
  • Consumo cidade – 10,9 km/l (etanol)
  • Consumo cidade – 16,3 km/l (gasolina)
  • Consumo estrada – 9,9 km/l (etanol)
  • Consumo estrada – 14,5 km/l (gasolina)

3. Renault Kwid (Nota A)

  • Versão 1.0 Life manual
  • Consumo energético – 1,39 MJ/km
  • Consumo cidade – 10,3 km/l (etanol)
    Consumo cidade – 14,9 km/l (gasolina)
  • Consumo estrada – 10,8 km/l (etanol)
    Consumo estrada – 15,6 km/l (gasolina)

4. Chevrolet Onix Hatch (Nota A)

  • Versão 1.0 manual
  • Consumo energético – 1,40 MJ/km
  • Consumo cidade – 9,9 km/l (etanol)
  • Consumo cidade – 13,9 km/l (gasolina)
  • Consumo estrada – 11,7 km/l (etanol)
  • Consumo estrada – 16,7 km/l (gasolina)

5. Fiat Mobi Drive (Nota A)

  • Versão 1.0 Drive manual
  • Consumo energético – 1,43 MJ/km
  • Consumo cidade – 9,7 km/l (etanol)
  • Consumo cidade – 13,8 km/l (gasolina)
  • Consumo estrada – 11,5 km/l (etanol)
  • Consumo estrada – 16,4 km/l (gasolina)

6. Volkswagen Up (Nota  A)

  • Versão 1.0 170 TSI Connect manual
  • Consumo energético – 1,44 MJ/km
  • Consumo cidade – 9,6 km/l (etanol)
  • Consumo cidade – 14,1 km/l (gasolina)
  • Consumo estrada – 11,1 km/l (etanol)
  • Consumo estrada – 16 km/l (gasolina)

7. Peugeot 208 (Nota A)

  • Versão 1.2 Active manual
  • Consumo energético – 1,46 MJ/km
  • Consumo cidade – 9,6 km/l (etanol)
  • Consumo cidade – 13,9 km/l (gasolina)
  • Consumo estrada – 10,7 km/l (etanol)
  • Consumo estrada – 15,5 km/l (gasolina)

8. Fiat Argo (Nota A)

  • Versão 1.0 Drive manual com start-stop
  • Consumo energético – 1,48 MJ/km
  • Consumo cidade – 9,8 km/l (etanol)
  • Consumo cidade – 14,2 km/l (gasolina)
  • Consumo estrada – 10,8 km/l (etanol)
  • Consumo estrada – 14,5 km/l (gasolina)

9. Ford Ka (Nota B)

 

  • Versão 1.0 S manual
  • Consumo energético – 1,49 MJ/km
  • Consumo cidade – 9,3 km/l (etanol)
  • Consumo cidade – 13,3 km/l (gasolina)
  • Consumo estrada – 10,8 km/l (etanol)
  • Consumo estrada – 15,6 km/l (gasolina)

10. Ford Ka Sedan

  • Versão 1.0 SE manual
  • Consumo energético – 1,49 MJ/km
  • Consumo cidade – 9,3 km/l (etanol)
  • Consumo cidade – 13,3 km/l (gasolina)
  • Consumo estrada – 10,8 km/l (etanol)
  • Consumo estrada – 15,6 km/l (gasolina)

 

 

Luzes do painel: O que significam?

29.04.20

O significado das luzes do painel do carro é o mesmo para todos os modelos e seus ícones costumam seguir o mesmo padrão em modelos e marcas diferentes para facilitar o entendimento.  Algumas das luzes-espia (como são conhecidas os alertas) são azuis ou verdes – como as de farol de neblina ou da seta de curva e ultrapassagem. Já as amarelas e vermelhas simbolizam avisos importantes e que exigem algumas soluções imediatas.

Por isso, ficar atento aos símbolos é super importante para cuidar bem do motor do carro e ajudá-lo a dirigir com segurança. Confira este guia com o significado das principais luzes do painel! 

Luz da injeção eletrônica acesa: mais combustível e mais poluentes

Luz da injeção piscando ou que permanece acesa depois de dar a partida, significa problemas no sistema. Além de soltar muito mais fumaça e potencialmente prejudicar outras peças, as falhas na injeção aumentam o consumo de combustível do carro. Geralmente, a causa do problema costuma ser o próprio combustível que pode estar adulterado ou de má qualidade. Por isso, a dica é sempre abastecer em postos de confiança.  

Luz da bateria acesa: o problema é com ela ou com o alternador​

Normalmente, alguns segundos depois de ligar o carro, a luz da bateria no painel deve apagar. Se a mesma permanecer acesa, significa que a bateria está com pouca carga – o que pode ser dois problemas. 

O primeiro é a própria peça. Ou foi usada em excesso para uma função secundária, ou, sua vida útil está acabando – então, chegou a hora de trocar a bateria do carro.

O segundo problema, um pouco mais grave, é o alternador.  Ele é responsável por recarregar a bateria enquanto o carro está em movimento. Logo, se não estiver funcionando, ela não é recarregada e a luz-espia avisa. 

É importante resolver essa situação, para que você não fique na mão, já que a bateria é responsável por ligar o carro. 

Luz do óleo do motor acesa: está faltando e é melhor parar o carro

Quando a luz do óleo acender, pare o carro. Isso, porque o indicador aceso simboliza quantidade insuficiente de lubrificante entre as peças. Essa falta pode ser causada por pouca pressão na bomba de óleo, vazamento ou sujeira. 

Continuar dirigindo mesmo com pouco óleo pode fundir o motor, uma vez que o lubrificante é responsável pelo deslizamento suave entre as peças. Em outras palavras, sem óleo, elas sofrem atrito e esquentam até causar uma grande pane no motor – que vai parar. 

Portanto, se a luz do óleo acender no painel, o melhor a fazer é desligar o carro e chamar um serviço mecânico. Uma dica interessante para evitar o problema é manter as manutenções preventivas em dia, que incluem verificação do nível e troca de óleo. 

Luz do freio acesa: pode ser o estacionamento ou o fluido

O freio é representado por dois ícones diferentes – o ponto de exclamação ou a letra P. Alguns veículos têm as duas luzes e outros tem apenas uma delas, varia de acordo com o modelo e a marca. 

Mas de um modo geral, o ponto de exclamação costuma ser a luz do freio de estacionamento, e fica acesa quando o freio de mão está engatado – é só um aviso. Se está solto, a luz do painel não acende.

Nos carros que só há um símbolo (geralmente o ponto de exclamação), basta prestar atenção no momento em que ele fica aceso. Se ao desengatar o freio de mão a luz permanecer, o problema é no fluido e precisa ser consertado. 

Luz do sistema de arrefecimento acesa: fique atento ao motor

O símbolo que parece um barco à vela (também conhecido como termômetro), mede a temperatura do carro, funcionando em níveis: quando chegar no último ou o símbolo acender, significa que o motor está muito quente. 

Neste caso, o ideal é desligar o carro para não fundir o motor, esperar ele esfriar e procurar um mecânico de confiança. 

Sempre é bom lembrar que…

a manutenção preventiva é a melhor dica para manter seu carro bem cuidado e com a qualidade de performance garantida, diminuindo as chances de ver as luzes que representam problemas acenderam. 

Curtiu as dicas? Fique ligado no nosso blog e em nosso perfil do Instagram @sosbateria que sempre trazemos ótimas informações para vocês! 

 

10 itens que você mesmo pode checar no seu carro

23.04.20

Checar constantemente os itens do carro é essencial para garantir a vida útil do automóvel. Separamos uma lista com 10 itens que você mesmo pode conferir no seu dia a dia. Dá uma olhada: 

1 – Água

É imprescindível que o nível de água seja checado com frequência, principalmente antes de uma viagem, pois é ela a responsável pela refrigeração do motor.

2 – Óleo

Outro nível a ser verificado é o do óleo. Atuando em conjunto com o motor, é de extrema importância que o seu nível não esteja abaixo do mínimo, pois prejudica a lubrificação e a limpeza do motor.

3 – Estepe

Nunca deixe o estepe em mau estado; ele é tão importante quanto os outros pneus, e deve ser mantido em bom estado para ser usado nos momentos de emergência. Na manutenção e revisão, não esqueça de pedir também.

4 – Extintor

Confira sempre se o extintor está no local correto e com o prazo de validade em dia.

5 – Luzes

Os piscas, a luz de freio, a ré, o alerta, a iluminação traseira, os faróis alto e baixo devem ser sempre testados antes de pegar a estrada.

6 – Itens de emergência

É de extrema importância a presença do macaco, do triângulo de sinalização e da chave de roda dentro do veículo.

7 – Freio de mão

O freio de mão deve estar regulado para evitar qualquer tipo de falha.

8 – Volante

Antes de um percurso mais longo, faça um teste com o carro e repare se há trepidações pelo volante.

9 – Palhetas

A checagem das palhetas pode ser feita de forma visual. É importante que a borracha não esteja ressecada para garantir o bom desempenho quando for necessário utilizar.

10 – Pneus

Todos os quatro pneus devem ser vistos bem de perto.

Vale lembrar que a revisão periódica em locais especializados é de extrema importância para o bom funcionamento do seu carro. A lista que elencamos são apenas pequenas dicas que podem evitar dores de cabeça futuras por multas e/ou na parte de manutenção.

 

Mudanças nas leis de trânsito durante a quarentena

13.04.20

Com a quarentena por conta do COVID-19 provocando suspensões de atividades de diversos setores e, consequentemente, causando  fluxo reduzido de pessoas, o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) decidiu suspender os prazos relacionados a serviços de trânsito em todos os estados. A determinação foi feita em acordo com os Departamentos de Trânsito (Detrans) dos 26 estados e do Distrito Federal. A suspensão vale para todos os processos e procedimentos realizados por entidades públicas e privadas prestadoras de serviços relacionados ao trânsito.

Assim, uma das mudanças foi a permissão de condução de veículos por motoristas com a CNH vencida. A isenção é para todas as carteiras de motorista que deixaram de ser válidas no dia 19 de fevereiro deste ano. A medida visa evitar aglomerações em locais públicos, como os Detrans, durante a pandemia do novo coronavírus. Normalmente, quem está com a CNH vencida só pode circular até 30 dias após a validade do documento. A alteração está em vigor desde o dia 20 de março. 

Além disso, desde o dia 23 de março, foram liberadas as zonas azuis em torno de 300 metros das unidades de saúde, hospitais, ambulatórios, UBSs, UPAs, AMAs, prontos-socorros e estabelecimentos que prestam atendimentos de emergência. Para o restante dos locais, a medida continua em vigor. 

O teste do bafômetro será restringido, utilizado apenas em casos de acidentes ou em situações claras de embriaguez por parte do motorista.

Sobre a cobrança de pedágios, a CNT se declarou contrária à suspensão. Ela defende que o valor arrecadado é utilizado para construção e manutenção de rodovias, e que a quebra desse processo acarretaria descumprimento de contratos já estabelecidos.

Dessa forma, os pedágios continuarão com a cobrança normal.

 

Social Comics e Senninha liberam todos os quadrinhos do personagem de graça

06.04.20

Com o isolamento social por conta do COVID-19, muitos pais estão se virando nos 30 para promover atividades para as crianças. Agora, graças a parceria entre a Social Comics e a marca Senninha, você e o seu pequeno vão poder maratonar juntos todos os quadrinhos do Senninha! 

As marcas liberaram mais de 110 edições, das clássicas às mais recentes, que podem ser baixadas através deste link: socialcomics.com.br/senninha

Senninha conta a história de um menino de seis anos que sonha em ser piloto de Fórmula 1. O personagem, inspirado no piloto brasileiro Ayrton Senna, foi criado por Rogério Martins e Ridaut Dias Júnior, que pretendiam passar para as crianças os valores do tricampeão, como determinação, motivação e superação.

‘’Neste momento, nós não apenas disponibilizamos os quadrinhos junto com a marca Senninha, como também procuramos lembrar todos os fãs do Senninha e sua turma de seguirem as regrinhas de ouro passadas pelo Ministério da Saúde: lavar bem as mãos, utilizar álcool gel e evitar aglomerações”, comenta J.P Sette.

 

Covid-19: Como adiar prestações do seu carro parcelado

03.04.20

O avanço do novo coronavírus no Brasil fez com que vários estados decretassem quarentena e, com isso, o fechamento de setores do comércio tidos como não essenciais. Além da grande preocupação com a saúde pública, foi surgindo também a angústia a partir da dúvida de como pagar todas as contas sem estar trabalhando.

Várias fabricantes como Ford, Hyundai e Nissan estão estendendo suas garantias. Já o Conselho Monetário Nacional (CMN) determinou que os bancos suspendam até duas prestações em financiamentos de imóveis e veículos por 60 dias, além da negociação de outras dívidas. O que é feito, nesse caso, é o adiamento dessas parcelas para o final do financiamento. Então, se você iria quitar sua conta em março de 2021, mas fizer a requisição para o adiamento de duas prestações, o seu parcelamento terminará em maio do mesmo ano. Nesse caso, os pré-requisitos são que o financiamento seja feito em um dos bancos citados abaixo e que suas prestações estejam em dia.

Grandes instituições financeiras como Caixa, Itaú, Santander e Bradesco, já se movimentaram e estão adiando os pagamentos de duas prestações de casa ou de carro para os próximos 60 dias. Já o Banco do Brasil só está suspendendo as parcelas para alguns financiamentos de pessoa jurídica.

Para saber mais detalhes, entre em contato com o seu banco. Os pedidos podem ser realizados pelos canais eletrônicos, como internet banking e a central de atendimento telefônica.

 

Como Levar as Criança No Carro de Forma Segura

02.04.20

Você sabia que de acordo com a Resolução Nº. 277 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), as crianças com até sete anos e meio devem ser transportadas em suportes especiais?

A segurança dos pequenos é essencial na hora de transportá-los no carro. Por isso, sempre é bom estarmos atentos em alguns pontos:

  • De acordo com a Resolução Nº. 277 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), as crianças com até sete anos e meio devem ser transportadas em suportes especiais. O uso de um dos equipamentos é indispensável uma vez que reduz o risco de ferimentos graves e mortes em casos de batida ou freada repentina.
  • Quem não respeita as regras e transporta crianças de forma irregular pode ser punido com multa de R$ 293,47 e ganhar 7 pontos na carteira. Trata-se de uma infração gravíssima, conforme prevê o Código de Trânsito Brasileiro (CTB).
  • Apenas crianças com 10 anos ou mais podem ser transportadas no banco da frente. Abaixo disso, elas devem ir nos assentos traseiros, sempre na cadeirinha. A única exceção é para veículos que não tenham banco traseiro, como picapes de cabine simples ou esportivos. Nestes casos, o CTB permite que a criança vá no banco do passageiro dianteiro, mas sempre com o dispositivo de retenção adequado.
  • Antes de tudo é importante testar o equipamento de segurança com o carro parado.  Veja se a criança está confortável e bem segura. 

Como escolher a cadeirinha ideal? 

Existem modelos diferentes para cada idade, confira qual o aconselhado para seu pequeno: 

Até 1 ano de idade: o bebê conforto é o dispositivo de escolha e que deve ser instalado de costas para o movimento do carro. Para fixação, utilize o cinto de segurança do banco traseiro. A criança deverá ficar presa somente às alças do bebê conforto.

1 a 4 anos: conhecida como “cadeirinha”, a cadeira de segurança é ideal para esta fase. A criança deverá ficar sentada voltada para frente, como qualquer passageiro do veículo. Para prender, você irá utilizar as tiras de retenção do equipamento (sistema de cinco pontos).

4 a 7 anos e meio: para as crianças maiores será necessário apenas o assento de elevação, para que possa ser presa ao cinto de segurança do próprio veículo.

7 anos e meio até os 10 anos: a regra para maiores de 7 anos e meio é que sejam transportados apenas no banco traseiro, mas agora sem nenhum equipamento especial, somente com o uso do cinto de segurança do veículo.

Agora que você já sabe os cuidados que deve ter e o equipamento ideal para seu pequeno, é só seguir viagem! 

 

Como higienizar seu carro em tempos de Coronavírus

24.03.20

Manter a higienização do seu carro, mais do que nunca, virou essencial com o surto de Coronavírus. Pensando nisso, separamos algumas dicas para manter seu carro longe do COVID-19. 

Confira:

  1. Higienize a parte interna do carro com aspirador, limpe os bancos com produtos específicos, focando na sujeira que acumula nas costuras e dobras;
  2. Sempre que possível, mantenha higienizado com álcool em gel 70% os seguintes locais: maçanetas, câmbio, botões de vidros e retrovisores e principalmente o volante e a tela multimídia, além da alavanca do freio de estacionamento.
  3. Deixar um frasco de álcool em gel em um local de fácil acesso para você utilizar ao entrar no veículo;
  4. Ao entrar no carro, limpe as mãos usando álcool em gel 70%. Ao sair e antes de fechar a porta, faça a mesma coisa.
  5. Ao transportar alguém no veículo, pedir que as mesmas medidas de higienização sejam tomadas: limpar as mãos com álcool, ao tossir e espirrar usar um lenço e descartar esse material rapidamente em um lixo sem tocá-lo;
  6. Bancos e carpetes podem ser limpos com produtos do tipo spray com alvejantes ou amoníaco. No entanto, eles são eficazes apenas se aplicados e removidos com um segundo pano seco. Do contrário, vírus e bactérias podem resistir à superfície.

 

Filmes Para Quem É Apaixonado por Carros

19.03.20

Que tal aproveitar seu tempo em casa para maratonar bons filmes do mundo dos apaixonado por carros? Separamos uma lista com opções para todos os gostos! Confere só:

1) Baby Driver – Em Ritmo de Fuga (2017) 

O jovem Baby (Ansel Elgort) tem uma mania curiosa: precisa ouvir músicas o tempo todo para silenciar o zumbido que perturba seus ouvidos desde um acidente na infância. Excelente motorista, ele é o piloto de fuga oficial dos assaltos de Doc (Kevin Spacey), mas não vê a hora de deixar o cargo, principalmente depois que se vê apaixonado pela garçonete Debora (Lily James).

2) Velozes & Furiosos 7 (Furious 7, 2015)

Após os acontecimentos em Londres, Dom (Vin Diesel), Brian (Paul Walker), Letty (Michelle Rodriguez) e o resto da equipe tiveram a chance de voltar para os Estados Unidos e recomeçarem suas vidas. Mas a tranquilidade do grupo é destruída quando Deckard Shaw (Jason Statham), um assassino profissional, quer vingança pela morte de seu irmão. Agora, a equipe tem que se reunir para impedir este novo vilão. Mas dessa vez, não é só sobre ser veloz. A luta é pela sobrevivência.

De certa forma, Velozes 7 é quase um filme-tributo. Conta com dedicatória nos créditos, cenas dos filmes anteriores e momentos clássicos de despedida para Paul Walker, que faleceu em novembro de 2013.

3) Corrida Contra o Destino (1971)

Kowalski (Barry Newman) recebe a missão de levar um Dodge Challenger 1970 de Denver, Colorado, até São Francisco, na Califórnia, e aposta com um amigo que completará o serviço em menos de 15 horas. Viajando em alta velocidade, ele logo torna-se alvo da polícia, mas passa a ser auxiliado por Super Soul (Cleavon Little), um radialista cego que acompanha a comunicação entre os policiais.

4) Dias de Trovão (1990)

Cole Trickle (Tom Cruise) é um jovem piloto de stock car que tem muito talento, mas nenhuma idéia de como canalizar este dom para obter vitórias. Porém, as coisas mudam quando Tim Daland (Randy Quaid) incumbe Harry Hogge (Robert Duvall), um veterano piloto de stock car, a construir um carro e contratar Cole para dirigi-lo. A partir de então Harry precisa passar para Cole sua filosofia de vitória e ensiná-lo como transformar seu talento cru em sucesso. Cole imediatamente entra em conflito com Rowdy Burns (Michael Rooker), o piloto mais badalado do circuito, mas esta rivalidade acaba criando um acidente, que manda ambos para o hospital. Por causa dos seus ferimentos, Rowdy é forçado a abandonar a competição. Sem seu principal rival para atormentá-lo, Cole acelera em direção de Claire Lewicki (Nicole Kidman), uma atraente médica que supervisiona a recuperação de Cole. A saúde de Cole é restabelecida, ele começa a correr novamente e parece que agora ele está fadado para o sucesso, mas tem que competir contra Russ Wheeler (Cary Elwes), que não quer apenas derrotar Cole, mas deixá-lo incapacitado para sempre.

5) Se Meu Fusca Falasse (1997)

Herbie, um Fusca com personalidade própria, desprezado por um mau caráter que dono de uma agência de automóveis de luxo e piloto de corridas. Mas o Fusca acolhido por um piloto boa praça (Dean Jones) e, em gratidão, o pequeno carro lhe dá diversas vitórias, acabando com a maré de azar do piloto, que inicialmente não entende que foi o fusquinha quem ganhou as corridas. Porém, ele aos poucos entende que o carrinho o principal responsável pelas vitórias e decide correr sempre com ele. Mas ambos terão que lutar contra um rico rival, que usa toda a espécie de golpes sujos para derrotá-los.

6) Drive (2011)

Durante o dia um motorista (Ryan Gosling) trabalha como mecânico e dublê em filmes de Hollywood, enquanto que à noite ele presta serviços para a máfia. Ele é vizinho de Irene (Carey Mulligan), que é casada e tem um filho com Standard (Oscar Isaac). Percebendo a situação difícil de Standard, que saiu há pouco tempo da prisão, o motorista o convida para realizar um assalto. Só que o golpe dá errado, o que coloca em risco as vidas do motorista, Irene e seu filho.

Curtiu? Agora só pegar a pipoca e maratonar!

4 Problemas No Seu Carro Que Podem Te Deixar No Sufoco

12.03.20

Ninguém merece tentar ligar o carro e ele não dar a partida, né? Entender as possíveis causas desse problema pode te ajudar na hora do perrengue! Mas lembrando que sempre é bom a opinião de um profissional.

1. Chave de Ignição com Problema

Se você não está conseguindo girar a chave, forte indício de que o problema seja na leitura. Nesse caso o problema pode ser tanto na própria chave como no leitor da ignição. O primeiro teste fácil a ser feito é utilizar a chave reserva. Caso ela funcione, aumenta a chance de ter falhas de leitura ou dano físico na principal.

2. Bateria Descarregada e/ou Falha no Sistema Elétrico

Se a sua chave está girando mas sem ligar o carro e as luzes do painel, dos faróis ou até o movimento das palhetas estão enfraquecidas, a falha muito provavelmente está relacionado à bateria.
Muitos dias sem ligar o carro, esquecer alguma luz do veículo ligada durante a noite ou alguma falha no alternador (peça responsável por abastecer o sistema elétrico e recarregar a bateria quando o carro está ligado) podem levar ao descarregamento da bateria.

Você pode saber mais sobre a bateria automotivo nesse post.

3. Problemas com Combustível

O problema pode ser a falta de combustível no tanque que você não percebeu por algum defeito no medidor ou por falta de atenção mesmo. Fazer essa verificação é um pouco mais complicada, e não indicamos fazer sem a ajuda de um profissional.

4. Sistema de Ignição

Se chave, combustível e a bateria estão funcionando normalmente e ainda assim seu carro não liga, o problema pode ser em algum componente do motor. Dificuldade ao ligar o veículo, falhas na aceleração e na retomada, perda de potência e aumento do consumo são sinais de problemas no sistema de ignição.

 

Para onde vai o dinheiro arrecadado com as multas?

10.03.20

Se você não sabe para onde vai o dinheiro das multas de trânsito, saiba que está longe de ser o único. 

Na verdade, a maioria dos brasileiros se questionam sobre isso. E esse desconhecimento faz com que muito dos motoristas não paguem as multas, ficando em dívida com o Estado e consequentemente, problemas com a regulamentação do veículo. 

Mas afinal, para onde vai essa arrecadação? 

De acordo com o Código, no art. 320, a receita arrecadada com a cobrança das multas deverá ser aplicada, de maneira exclusiva, em sinalização, engenharia de tráfego e campo, policiamento, fiscalização e educação.

Ainda conforme o CTB, cinco por cento do valor arrecadado com as multas de trânsito deverão ser depositados, mensalmente, no  Fundo Nacional de Segurança e Educação de Trânsito (FUNSET).

Assim como acontece com as demais normas do CTB, é o CONTRAN o órgão responsável por regulamentar, fundamentar e disciplinar a aplicação desse dinheiro arrecadado com multas de trânsito.

Essas determinações do Conselho estão presentes na que estabelece o seguinte para cada área contemplada com a arrecadação das multas de trânsito:

  • Sinalização (dispositivos de canalização, sinais de alerta, dispositivos luminosos, painéis eletrônicos, etc);
  • Engenharia de tráfego (que se encarrega de planejar como o deslocamento deverá acontecer em áreas urbanas.);
  • Policiamento e fiscalização;
  • Educação no trânsito (que inclui campanhas publicitárias e educativas, cursos e palestras e atividades nas escolas).

Desde 2018, ficou determinado por uma portaria do Denatran que os Estados devem publicar na internet o quanto foi arrecadado com a cobrança de multas de trânsito.

A ideia é que os condutores tenham a informação clara de para onde vai os recursos arrecadados com o pagamento das multas de trânsito e sintam que o seu dinheiro está sendo utilizado de forma devida, para melhorias no trânsito, assim como determina a legislação.

 

VOCÊ CONHECE OS PRINCIPAIS REQUISITOS NA HORA DE COMPRAR UM SEMINOVO?

05.03.20

A insegurança na compra de um seminovo é um sentimento frequente. Em primeiro momento porque existe grande preconceito em relação às empresas (agências de automóveis) e vendedores do ramo. Em sequência, nem sempre as vantagens de se adquirir ou trocar estão explícitas ao comprador . São inúmeras possibilidades, há grande oferta no mercado tanto de venda quanto de compra de um carro usado.ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

Saiba então os 5  principais itens para escolher o seu veículo seminovo de forma segura. Confira abaixo:  

1.LEGALIDADE

Ter cautela com o filtro de busca é fundamental para fechar um negócio sem ser enganado.

Apesar de algumas ofertas de pessoas avulsas serem atrativas, ter consciência da legalidade do veículo é imprescindível. Uma breve pesquisa trará um histórico da empresa, busque um revendedor com identificação em ambiente comercial, telefone confirmado, recomendações, comentários, CNPJ aberto, cadastros financeiros e certificado de garantia.

 2.DOCUMENTAÇÃO

Apesar de parecer óbvio, é importante sempre exigir os documentos do veículo como o de rodagem licenciado, recibo de compra e venda. É importante também dar preferência para a revenda com estoque com carros de propriedade da empresa, com nome em pessoa jurídica, que não sejam consignados.

3.LAUDO CAUTELAR

O DETRAN (Departamento Estadual de Trânsito)  possui o chamado Laudo Cautelar, que tem um acesso por meio das empresas terceirizadas que são cadastradas no sistema, uma mecânica que possibilita a visualização dos veículos com busca e apreensão, registro sinistro, bloqueio jurídico, número do motor e chassi correspondentes. Assim, é possível investigar a procedência do   automóvel que está sendo negociado e/ou comprado.

4.CONTRATO

Como qualquer negociação que viabiliza as leis, comprar um veículo demanda um contrato detalhado.Solicite-o antes de finalizar a compra e o leia com bastante atenção. Ele deve conter  as informações tanto do comprador quanto do responsável pela venda, assim como do carro, sendo este assinado pelos envolvidos na compra.   

5.GARANTIA

Apesar de algumas pessoas não saberem, uma das maiores vantagens de se comprar um seminovo revendido é que, eles possuam a obrigação de assegurar todos os veículos comprados com 3 meses de garantia. Existe ainda algumas empresas que possibilitam uma garantia diferente, referente ao câmbio e motor do carro, sendo de tamanho estendido de até 1 ano. 

Para além do prazo de garantia, a agência pode indicar fornecedores confiáveis e profissionais específicos a depender da demanda.

 

Jogar lixo na rua tem consequências?

03.03.20

Segundo o código brasileiro de trânsito jogar lixo na rua é considerado infração média. A atitude em flagrante pode gerar multa. Essa é uma das condutas de trânsito que poucos condutores conhecem. Além de ser um hábito desagradável e a poluição do meio ambiente, essa atitude pode ter a consequência da infração. 

O QUE DIZ O CTB

Atitudes como essa podem ser prejudiciais principalmente para quem utiliza o tráfego,  tanto os veículos, como os ciclistas e os pedestres. Identificar o que é prejudicial se torna então o principal método para designar se certa atitude é ou não infração e má conduta, analisando os riscos a quem pratica e aos demais.

Essa ação pode durante um descarte de um objeto pela janela do carro,principalmente quando em movimento, chocar com outro veículo, machucar um pedestre ou um ciclista. Para além da possibilidade de danos materiais, o objeto pode causar uma reação perigosa  do outro condutor sendo assim possível ocasionar um acidente. 

Dessa forma, no Artigo 172, é estabelecido que o arremesso de objetos ou substâncias nas vias consta como uma infração.

 Art. 172.  “ Atirar do veículo ou abandonar na via objetos ou substâncias:

Infração – média;

Penalidade – multa”.

Por se tratar de uma infração dita como média, o valor correspondente a multa é de R$ 130,16  além de quatro pontos gerados na CNH.

COMO RECORRER

Recorrer é um direito de todo cidadão. O primeiro passo após uma multa é contestar via Defesa prévia. Esta por sua vez  tem um prazo máximo durante o qual deve ser apresentada. Esse prazo geralmente é de quinze dias após a notificação ter sido recebida.  Esse período pode variar a depender do estado em questão. Apesar de muitas pessoas confundirem, essa notificação não é a multa em si, ela apenas informa que houve um flagrante que está pendente. 

Caso a Defesa Prévia seja indeferida, o condutor irá receber a então multa NIP (Notificação de Imposição de Penalidade) com sua respectiva cobrança. Há ainda a possibilidade de recorrer em duas instâncias: na JARI e no CETRAN. 

Como jogar lixo é uma infração média, é possível solicitar a conversão da multa em advertência, desde que não seja reincidente (não recorrente num período de 1 ano).

 

Dicas para manter a higiene do seu carro na volta da praia

27.02.20

Foi à praia e seu carro ficou cheio de areia? Mesmo que não pareça, a areia da praia pode provocar alguns danos ao interior e também ao exterior de um carro. Manchas na pintura e nos vidros, corrosão de peças metálicas e desgaste das borrachas são alguns dos efeitos que a maresia pode causar no seu automóvel. Sem falar que a combinação do calor com a umidade, torna o ambiente propício para o acúmulo de bactérias e até mesmo de mofo. Para te ajudar a combater esses males sem deixar de aproveitar uma boa praia, separamos algumas dicas de como limpá-lo de maneira eficiente!

1. PROTEJA SEU ESTOFADO

O ideal é que o dono do veículo ande sempre com uma capa ou pedaço de lona para essas ocasiões. Mas cada passageiro do carro pode ser responsável por levar uma toalha seca para forrar os bancos. Isso ajuda a impedir que qualquer umidade permeie o estofado.

2. LIMPE OS PÉS E OS OBJETOS SUJOS DE AREIA

Nossa dica é encher um baldinho ou garrafa pet com água e usá-la para remover o excesso de areia dos pés, cadeiras de sol e afins.

3. PASSE ÁGUA NA CARROÇARIA

Como falamos, a maresia e a areia podem causar danos também à parte externa do seu carro. O que vai te ajudar a prevenir isso é passar água doce na carroçaria. Mas é recomendável que não esfregue, para que os resquícios de areia não arranhem a pintura.

4. TAPETES DE BORRACHA

O tipo de tapete varia entre os modelos de carros. Alguns são de borracha, porém muitos são carpetes de tecidos que demoram a secar e onde a sujeira gruda facilmente. Se for esse o caso, você pode comprar um jogo de tapetes de borracha e usar somente quando for viajar para a praia. É possível encontrar jogos completos com preços a partir de R$30,00.

Gostou dessa #DicaSOS? No nosso blog, você encontra muitas outras dicas e curiosidades sobre o mundo automotivo.

O que você precisa saber sobre a bateria do seu carro

20.02.20

ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤA bateria é a responsável por fazer todos os sistemas eletrônicos do automóvel funcionarem. É muito comum que as pessoas achem que ela é restrita ao aparelho de rádio, luzes, vidros e travas elétricas. O que pouca gente sabe, é que a central de injeção e alarme, por exemplo, consomem energia o tempo todo, ainda que seja de maneira reduzida.ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

O que são amperes?

Podemos dizer que baterias de carro são como as baterias de smartphones. Quanto mais moderno o aparelho e com utilidades, maior o gasto de energia.

A amperagem é a capacidade, ou seja, a reserva de energia que o equipamento possui, em relação ao gasto por hora.

Vamos pegar como exemplo uma bateria de 60 amperes: caso você retire toda a sua capacidade com o uso das diversas tecnologias do seu carro, ela irá descarregar mais rápido.

A quantidade de amperes utilizada vai depender do manual do veículo. Há motoristas que, na busca por uma bateria que dure mais, acabam colocando um produto com a amperagem maior do que a indicada.

Precisamos lembrar que, ao serem desenvolvidos, esses carros passaram por diversos testes, portanto, o ideal é sempre respeitar o projeto da fabricante.ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

Como prolongar a vida útil da sua bateria

Em média, a vida útil bateria é de dois anos. Mas, alguns cuidados precisam ser tomados para ficar com ela por mais tempo. Veja:

  • Desligue o rádio e acessórios elétricos sempre que possível;
  • Verifique se as luzes estão apagadas quando sair do veículo;
  • Revise periodicamente a bateria;
  • Ao substituir, opte pelo modelo original e fornecedor de confiança.

Agora que entendeu um pouco mais sobre as baterias automotivas, você já sabe como melhor utilizá-la. E caso precise trocá-la, já sabe, né? Fale com a SOS Baterias!

 

Dicas para pegar a estrada com segurança

18.02.20

ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤFeriadão chegando e muita gente já pensa logo em aproveitar essa folguinha para viajar por aí. Pensando nisso, separamos algumas dicas para você pegar a estrada com segurança! ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

Vamos começar com um check-list que você precisa estar atento antes de pegar a estrada:    

  • Repor a água do radiador e para-brisa;​
  • Verificar o óleo;
  • Calibrar os pneus. Não se esqueça do estepe!;
  • Verificar a bateria;
  • Testar o funcionamento do cinto. Ele é essencial para garantir a sua segurança e dos demais passageiros; 
  • Conferir os faróis, setas, luz de ré e lanternas de freio;
  • O espelho interno e os retrovisores devem estar em perfeitas condições de uso;
  • Checar os pedais de acelerador, freio e embreagem, além do freio de mão;
  • Verificar a validade do seu extintor de incêndio;
  • A chave de roda, triângulo para sinalização e o macaco, são equipamentos obrigatórios e serão grandes aliados em uma situação de emergência;
  • O limpador de para-brisa perde a eficiência com o tempo de uso. Confira se as borrachas estão boas e mantenha os vidros sempre limpos e desengordurados; 
  • Fique de olho no tanque, principalmente se o seu trajeto não contar com muitas opções de postos de abastecimento;
  • Distribua a bagagem para não deixar o veículo desequilibrado e evite deixar objetos soltos, pois eles podem ser arremessados contra os passageiros em caso de freada brusca.

 

​Quais cuidados você pode tomar na estrada?   

Agora vamos aos cuidados que você precisa ter na estrada: 

 

  • Placas: ter conhecimento sobre as placas de sinalização é muito importante, por isso é aconselhável você visitar o seu o site do Departamento Nacional de Estradas de Rodagem (DNER) do seu estado e relembre todas as identificações visuais das estradas e os seus significados; 
  • Concentração: se estiver com sono ou cansado, pare em algum lugar para descansar! Dirigir na estrada exige muita concentração e, por isso, é importante que você esteja bem disposto(a);
  • Velocidade: vamos respeitar os limites? Por menor que seja o limite de velocidade permitido em algumas rodovias, a medida ajuda a evitar colisões e acidentes. Quanto à velocidade mínima, é bem fácil calcular: sempre será a metade da velocidade máxima permitida;
  • Faróis: seus faróis estão ligados? Que bom, afinal usar o farol baixo nas rodovias e túneis é lei! Isso aumenta a visibilidade dos carros, principalmente para pedestres, ciclistas ou quando a distância entre os automóveis for maior que três quilômetros;
  • Vidros do carro: sabia que eles são mais importantes do que você imagina? Ao manter os vidros do carro totalmente fechados ou totalmente abertos, você evita o deslocamento de ar dentro do automóvel caso seja ultrapassado por um veículo muito grande e pesado. Se o ar entra por uma janela e não consegue sair por outra que está fechada, a direção fica desestabilizada e o carro pode balançar; 
  • Distância entre os carros: existe uma ideal? Segundo o DETRAN, a regra para manter uma distância segura do carro da frente é simples: desacelere o carro, escolha um ponto fixo na via, como uma árvore, aguarde até que o veículo da frente ultrapasse este ponto, conte 2 segundos e só então volte a acelerar. Ou seja, é uma distância média de quase 2 carros;
  • Pistas: qual você deve ficar? Depende. Via de regra, a pista da esquerda é destinada a ultrapassagem e deslocamento de veículos com maior velocidade. O ideal para pessoas inexperientes é permanecer na pista da direita sempre que possível, junto de veículos mais lentos e/ou pesados;
  • Ultrapassagem: quer mudar de pista ou ultrapassar um carro? Certifique-se de fazer com muita segurança e sempre com a seta ligada. Assim, outros motoristas estarão cientes da sua intenção. As ultrapassagens devem ser sempre feitas pela esquerda e em locais permitidos, ou seja, onde a sinalização horizontal é tracejada. Além disso, é fundamental ter visibilidade, por isso não ultrapasse em curvas;
  • Acostamento: ele serve apenas para parada de automóveis em casos de emergências e circulação de pedestres e bicicletas, quando não houver local apropriado. Em nenhuma hipótese trafegue pelo acostamento, ok?
  • Sinais: você sabia que existem alguns sinais na estrada? Um farol piscando atrás de você significa que alguém quer te ultrapassar. Já alguém que venha do sentido oposto piscando o farol, está alertando que pode haver problemas à frente;
  • Curvas: vai fazer uma curva? Não se arrisque! Reduza a velocidade antes de iniciá-la. Frear durante, pode resultar na perda de controle do veículo ou até mesmo travar as rodas, mas se for realmente necessário, dê leves pisadas no freio, até que se sinta seguro. Durante a curva o correto é acelerar moderadamente, o que aumenta a aderência do seu carro com a pista;
  • Chuva: Se estiver chovendo, cuidado! Fique com a atenção redobrada e mantenha uma distância de segurança de, no mínimo, cinco carros entre o seu e o da frente. A visibilidade fica menor, a pista fica escorregadia e os motoristas precisam diminuir a velocidade. Se a chuva estiver forte demais, procure um lugar seguro para estacionar e espere até que ela diminua. Caso o vento também esteja forte, evite aguardar em locais próximos à árvores ou placas. Se precisar parar no acostamento, é obrigatório ligar o pisca-alerta para que os outros veículos consigam te ver.

 

Dicas anotadas? Agora é só curtir o feriadão! 

 

Dirigir descalço, sem camisa ou com fone: pode ou não pode?

13.02.20

ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

As infrações menos óbvias são responsáveis por pegar muito motorista de surpresa, até mesmo aqueles que dirigem há anos. Listamos algumas que vão te ajudar a fugir das multas, confira: ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

DIRIGIR DE SALTO OU DESCALÇO (A)

Depende. A lei proíbe dirigir “usando calçado que não se firme nos pés ou que comprometa a utilização dos pedais”. Sendo assim, estaria tudo bem dirigir descalço, mas, de salto pode haver problemas, já que um salto pode comprometer a sensibilidade do pedal e tornar mais complexo seu manuseio. Para não ter erro, é melhor procurar calçados que não tenham chances de sair do pé ou com sola mais plana e leve.

  • Legislação: Código de Trânsito Brasileiro (CTB) – Art. 252
  • Infração: média
  • Penalidade: multa

ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

DIRIGIR SEM CAMISA

Pode. A legislação não proíbe o motorista de dirigir sem camiseta, mas é comum que sem camisa a pessoa se sinta incomodada com o cinto, e acaba não usando. Sendo assim, a infração é por não usar o cinto, e não por estar sem camiseta. ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

FUMAR ENQUANTO DIRIGE

Não pode. A restrição não é especificamente sobre fumar no carro, mas sim dirigir com só uma das mãos. Segundo a lei, só se pode conduzir com apenas uma mão para “fazer sinais regulamentares de braço, mudar a marcha do veículo, ou acionar equipamentos e acessórios do veículo”. Tendo em vista que, é um pouco impossível fumar sem usar as mãos, não fume enquanto estiver dirigindo. 

  • Legislação: CTB – Art. 252
  • Infração: média
  • Penalidade: multa

ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

OUVIR MÚSICA NO FONE DE OUVIDO

Não pode. O CTB (Código de Trânsito Brasileiro) tem um item específico proibindo expressamente dirigir com fones de ouvido, uma vez que isso pode fazer com que o motorista não ouça buzinas ou outros sons de alerta durante a condução. E a regra vale independentemente de o fone está conectado a somente uma das orelhas. Para alto-falantes também há regras: desde uma resolução de 2016, o som deve estar em uma altura que não seja audível do lado de fora do carro.

  • Legislação: CTB – Art. 252; 624/2016 – Contran
  • Infração: média
  • Penalidade: multa

ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

LEVAR CRIANÇAS NO BANCO DA FRENTE

Não pode. Crianças com menos de dez anos devem ser transportadas nos bancos traseiros, usando cinto de segurança ou “dispositivos de retenção” (como cadeirinhas, por exemplo). O CTB e o Contran, contudo, estabelecem algumas exceções:

 

  1.  Quando o veículo não tiver banco traseiro;
  2.  Quando a quantidade de crianças com menos de dez anos for maior do que o que cabe no banco traseiro (quatro crianças para três lugares atrás, por exemplo);
  3.  Quando os bancos traseiros só tiverem cintos de segurança do tipo “subabdominal”, isto é, aqueles que têm apenas dois pontos e são menos seguros do que os que sustentam todo o tronco.
  • Legislação: CTB – Art. 64; Contran – resolução 277/2008.
  • Infração: gravíssima
  • Penalidade: multa e retenção do veículo até que a irregularidade seja sanada.

Placa Mercosul: Saiba em que casos será preciso trocar e as novidades no emplacamento

12.02.20

Desde o dia 31 de Janeiro, a Placa Mercosul passou a ser obrigatória no Brasil. Ela segue o mesmo padrão em todos os países que pertencem ao bloco: Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai, Venezuela (países membros), Bolívia, Chile, Colômbia, Peru, Equador, Venezuela, Guiana e Suriname (países associados). As novas placas já foram implantadas na Argentina e no Uruguai e está em andamento no nosso país. Os próximos países a adotá-las serão o Paraguai e a Venezuela. Mas calma, nem todos os carros precisarão adotar as novas placas de imediato. Existem quatro situações em que elas são obrigatórias:ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

  1. no primeiro emplacamento;
  2. na transferência de município (apenas uma vez);
  3. na troca de categoria do veículo;
  4. placa antiga ilegível ou danificada.

De qualquer forma, quem quiser realizar a troca de forma espontânea, também pode, desde que as placas já estejam disponíveis em seu Estado. Ao contrário das placas antigas, que tinham várias cores, o fundo das Placas Mercosul é sempre branco, com variação de cores apenas nas letras e números, com o seguinte critério:ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

 

ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

Onde comprar a nova placa?

As placas devem ser vendidas diretamente aos consumidores pelas estamparias, sem o intermédio do Detran, como acontece até hoje. Caberá ao órgão informar aos proprietários de veículos as empresas credenciadas para a realização do novo emplacamento. O Detran fará apenas o registro do veículo e a emissão da documentação. Uma vez com os documentos em mãos, o proprietário se responsabilizará pela busca de uma estamparia credenciada.ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

Para mais informações, procure o Detran da sua região.

 

Como pagar IPVA atrasado?

07.02.20

Todo início de ano é a mesma história: hora de juntar dinheiro e pagar o IPVA. O problema é que ele sempre vem juntos com outras contas e aí muitas vezes, as pessoas acabam não pagando o valor integral, o que vai se tornando uma verdadeira bola de neve.ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

Para pagamentos à vista

Basta acessar o site do Detran de seu estado, inserir o número da placa do veículo e seu Renavam e verificar as pendências. Depois disso, escolha a forma de pagamento do imposto e emita a guia, que será gerada já com valores atualizados. Depois pegue o boleto e pague no banco ou casa lotérica de sua preferência.ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

Para pagamentos parcelados

Se você pensa em pagar o imposto parcelado, saiba que é possível. O primeiro passo é comparecer à Secretaria da Fazenda onde o seu veículo está cadastrado com os documentos originais, pessoais e do automóvel, em mãos. Depois, você consegue as informações sobre o montante devido e suas condições de pagamento. Eles farão as propostas de parcelamento, já com todas as correções inclusas. Mas fique atento: só faça a negociação se você puder fazer o pagamento de todas as parcelas na data correta. ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

Como pagar o IPVA de outros anos

Caso você não tenha acertado os valores do IPVA de outros anos, a negociação também é feita com a Secretaria da Fazenda vinculada ao seu automóvel. Mas pesquise, pois o processo pode ser facilitado em alguns estados, oferecendo o serviço pela internet e até com opção de parcelamento.

 

Quais são as diferenças entre a gasolina comum e a aditivada?

05.02.20

Quais são as diferenças entre a gasolina comum e a aditivada?

A gasolina comum é um combustível derivado do petróleo e constituído em maior parte por hidrocarbonetos, apresentando ainda alguns componentes oxigenados. Por ser de transporte mais fácil e ter um refino mais barato, esse ainda é o combustível mais utilizado no mundo, principalmente em automóveis.ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

A aditivada é a mesma gasolina (comum), mas o diferencial está em um pacote de aditivos que, geralmente, contém um detergente que possuem a função básica de auxiliar na limpeza relacionada à alimentação de combustível no veículo, extraindo o acúmulo de resíduos que possam existir no motor e no sistema de combustão.ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

Abastecer com gasolina aditivada vale a pena?

O ideal é que, inicialmente misture os dois tipos de gasolinas para diminuir a concentração dos aditivos presentes na aditivada. Quando um veículo é sempre abastecido apenas com gasolina comum, a troca repentina pela gasolina aditivada pode causar o entupimento de carburadores, mangueiras e dos bicos injetores de combustível, que é um componente importante do motor. Isso acontece porque os aditivos funcionarão removendo impurezas internas de modo brusco.ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

Quanto ao consumo e ao custo-benefício, nem sempre vale a pena utilizar a gasolina aditivada. Ela é mais cara nos postos de abastecimento justamente por causa da presença dos aditivos. Nos grandes engarrafamentos, de fato esse tipo de combustível é mais vantajoso, porque seu rendimento é superior na circulação oscilante do trânsito pesado. Mas quando o carro pega a estrada, com o desenvolvimento da velocidade do carro, o desempenho fica equiparado. Isso se deve ao fato da octanagem da gasolina comum e da gasolina aditivada ser a mesma (87, no mínimo). Nesse caso, abastecer o veículo com a gasolina comum, que é mais barata, pode ser mais vantajoso.ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

Como saber qual combustível utilizar?

Para saber qual tipo de gasolina é mais indicada para o seu carro, é preciso consultar o manual do fabricante, que fornecem informações que levam em conta a potência do automóvel e o desempenho pretendido, de acordo com os projetos elaborados para aquele padrão de dirigibilidade. De modo geral, a Agência Nacional do Petróleo (ANP) recomenda que a aditivada é mais indicada para o uso urbano, em que há situações de anda e para. E a comum, é recomendada para a utilização em rodovias, em que o automóvel anda a velocidades altas, apresentando melhor custo-benefício nessa situação.

Ar condicionado: Mitos e Verdades

30.01.20

ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤO ar condicionado automotivo não é nenhuma novidade e já faz um bom tempo que também deixou de ser acessório de luxo nos carros. Mesmo ele sendo tão popular, ainda existem muitas dúvidas e alguns mitos em volta dele.ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

Quer saber o que é verdade e o que é mito? Então confira o post a seguir! 

MITOS

1. O gás do ar não vicia nem fica velho, como você deve ter escutado por aí. O gás do ar-condicionado só acaba quando há algum vazamento. Se tudo estiver correto, pode durar toda a vida útil do carro. 

ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

2. Esse é um dos maiores mitos do ar-condicionado. No uso urbano, o aumenta em cerca de 20% quando o ar-condicionado está ligado. Em velocidades superiores a 80 km/h, ligar o ar-condicionado poderá diminuir o consumo. Isso se explica pelo fato de as janelas abertas funcionarem como freio aerodinâmico em altas velocidades, fazendo com que o consumo aumente mais do que com o ar-condicionado ligado.ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

3. Algumas pessoas costumam dizer que ligar o ar-condicionado com o em alta velocidade pode causar pane no sistema, já que o compressor é ligado ao motor por meio de uma correia. Isso não procede. Existe uma espécie de embreagem magnética no sistema justamente para permitir que haja uma sincronização gradual com a rotação do motor, evitando danos.ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

4. Ouve-se que em sistemas digitais, a velocidade do ar interfere na temperatura do ambiente, mas isso não é verdade. Se você ajustou o ar-condicionado para 23o C, por exemplo, o ambiente interno do veículo ficará nessa temperatura estando ele na velocidade 1, 2 ou 3. A velocidade maior só fará com que o ambiente interno chegue à temperatura indicada mais rapidamente.ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

VERDADES

1. É indicado desligar o ar quando estiver chegando ao destino e deixar somente a ventilação. Isso elimina a umidade na tubulação e evita a proliferação de fungos.

ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

2. Ligar o ar provoca, sim, maior gasto de combustível nas cidades. Porém, na estrada, andar com os vidros abertos a mais de 80 km/h interfere na aerodinâmica do carro. Isso vai fazer que gaste mais com os vidros abertos do que se estivesse com o ar ligado porque a entrada lateral de vento vai interferir no rendimento. ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

3. É recomendado ligar o ar condicionado do carro pelo menos uma vez por semana.  Isso serve para que o gás e o óleo circulem pelo sistema, garantindo assim a lubrificação dele e evitando o ressecamento das peças.

 

Dicas Para Economizar Combustível

28.01.20

ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤToda economia é bem vinda. Pensando nisso, separamos algumas dicas que vão te ajudar a suavizar o bolso com os gastos do seu carro. São truques simples, como usar mais o freio motor, que ajudam o carro a render mais. Confira!

ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

1- Conheça o consumo do carro

Inicialmente calcule quanto seu carro consome, para isso encha o tanque de gasolina e ponha em zero o hodômetro do carro (o contador de quilômetros que normalmente fica debaixo do indicador de velocidade). No momento de encher de novo o tanque, tome nota de quantos quilômetros percorreu e divida pela quantidade de litros que colocou em seu tanque. Por exemplo 500Km/50 litros = 10 Km X litro. Uma vez que você saiba o consumo de seu carro nas condições em que costuma dirigir, comece aplicando os conselhos abaixo.

ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

2 – Manutenção em dia

A manutenção em dia evita que motor consuma mais que o necessário. Então é importante o cuidado regular de óleo, trocar filtros de ar, substituição de velas, entre outros acessórios.

ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

3 – Menos pé no freio

Se precisar parar, tire o pé do acelerador com antecedência e o motor se encarregará de reduzir a velocidade do carro. Não deixe para frear com força mais adiante. A movimentação brusca faz com o que o motor se desgaste mais rápido, além de ser bastante perigoso.

ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

4 – Carro pesado

Andar com o carro muito pesado influência no consumo de combustível. Por isso se você costuma andar com “cacarecos” desnecessários no porta-mala, por exemplo, faça uma limpa e verá a diferença.ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

5 – Manutenção dos pneus

Essa é uma dica importante. Usar seu veículo com os pneus em boas condições é primordial para economizar combustível. Os pneus murchos afetam o rendimento do veículo, por gerar mais atrito com a via. Além disso, mantenha os pneus sempre com a pressão correta.

ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

6 – Abasteça em postos de confiança

Tente sempre abastecer em postos de confiança, pois como sabemos, existem muitos combustíveis adulterados por aí.

Saiba Como Dirigir no Exterior

24.01.20

A nossa Carteira Nacional de Habilitação, a popular CNH, é aceita na maioria dos países como um documento válido. Locais como Argentina, Peru, Paraguai, Bolívia, Moçambique, Espanha e Itália aceitam a CNH brasileira sem a necessidade de nenhuma autorização específica.

 

Mas atenção, em muitos casos também é preciso tirar a Permissão Internacional para Dirigir (PID), especialmente quando o motorista for conduzir veículos por mais de 180 dias.  Por isso sempre é bom verificar isso junto a locadora de carros antecipadamente. O PID funciona como uma tradução da Carteira Nacional de Habilitação para sete idiomas: alemão, árabe, espanhol, francês, inglês, português e russo. Esse documento é aceito em mais de 100 países signatários da Convenção de Viena e deve ser apresentado junto à CNH brasileira. 

Como tirar a PID?

 

No Brasil, o processo e o valor para tirar esse documento variam de estado para estado. Em São Paulo, por exemplo, o processo pode ser feito totalmente pelo site do Detran. Basta pagar a taxa de emissão do documento, no valor de R$ 259,05, e R$ 11 pela taxa de entrega dos Correios. Quem preferir, pode solicitar em alguma unidade e retirar lá presencialmente. Por isso consulte o Detran do seu estado. 

 

IMPORTANTE: verifique o vencimento da sua habilitação, pois a permissão terá a mesma validade. Se a carteira de motorista estiver próxima do vencimento, o melhor é aguardar a renovação da CNH para solicitar o PID. Também é bom lembrar que o motorista não pode ter nenhuma pendência, multas, carteira suspensa ou restrições administrativas ou judiciais.

 

Validade do PID

 

A PID tem validade de 3 anos a contar da sua data de emissão, ou até o prazo de validade da CNH, o que ocorrer primeiro. Mas lembrando que se a CNH estiver vencida a PID também não tem validade. ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤE nossa última dica é: Verifique também a idade mínima para alugar um carro no país desejado. Na maioria é preciso ter mais de 21 anos. Em alguns lugares, condutores menores de 25 anos devem pagar uma taxa extra, como por exemplo na Europa. A maioria dos países europeus indica idade mínima de 25 anos para condutores. Porém, motoristas de 21 a 24 anos podem alugar veículos e dirigir por lá com carros mais básicos mediante pagamento da taxa de EUR 10,00 até EUR 30,00 por dia. Por isso fique atento as regras de cada país!

 

 

Conheça as Vantagens e Desvantagens do Carro Elétrico

22.01.20

ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

Certamente você já ouviu falar dos carros elétricos, não é mesmo? Apesar de ainda não vermos muitos por aí, as ofertas deles vem aumentando gradualmente em nosso país. 

No último ano tivemos muitos lançamentos de carros híbridos e elétricos no país, desde as versões mais primárias, nas quais o motor elétrico não traciona as rodas (os Mild Hybrids, ou Híbridos Leves), até modelos que rodam exclusivamente com eletricidade. 

Os preços ainda não são tão acessíveis. Até final de 2019, o modelo elétrico mais barato do país era o Zoe, que custa R$ 149.990. Mas isso mudará com o lançamento do JAC iEV20 que será vendido por R$ 119.900. Já o mais caro é o i-Pace, por R$ 437 mil.

Para você que está pensando em adquirir um, separamos algumas vantagens e desvantagens sobre o veículo que está dando o que falar. 

 

Vantagens

Melhor eficiência energética: a eficiência dos motores a combustão não passa de 40%. Com a necessidade do câmbio, a energia entregue as rodas é menor ainda. Os motores elétricos têm mais

de 90% de eficiência. Em conjunto com um bom inversor (também 90% de eficiência), a eficiência total do conjunto pode ser de 81%. ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

Condução mais agradável: por ser bastante silencioso, a condução do carro elétrico é bastante agradável. Caso todos os carros de uma cidade fossem elétricos, a poluição sonora seria bem menor.ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

Diminuição drástica dos resíduos poluentes: Mesmo que toda a energia utilizada para carregar a bateria venha de uma usina termelétrica, ainda assim são gerados menos resíduos poluentes do que se fosse queimado o combustível fóssil para movimentar o carro. E, caso a energia elétrica seja de fonte renovável (como hidroelétrica e eólica), então a vantagem é muito grande para o carro elétrico. ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

Desvantagens

Baixa autonomia: ela não armazena tanta energia quanto um tanque de combustível. Em outras palavras, a bateria tem densidade de energia menor do que o tanque de combustível. Isso significa que para a mesma autonomia, o volume da bateria seria muito maior do que o tanque, aumentando consideravelmente o peso do veículo e, consequentemente, aumentando o consumo. ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

Durabilidade da bateria: as melhores tecnologias em termos de capacidade de carga (baterias de lítio) têm problemas de durabilidade. Elas diminuem sua capacidade de carga com o passar do tempo (pelo menos 10% ao ano), tornando-se inviáveis em 4 ou 5 anos.ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

Tempo de recarga: Ao contrário do combustível líquido, baterias demandam horas para serem completamente recarregadas. 

 

Chupeta: um perigo para os componentes eletrônicos do veículo

16.01.20

ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤAntigamente, era comum a prática de fazer ponte quando a bateria acabava, popularmente conhecido como chupeta. Porém, com a modernização feita para o melhoramento do veículo, principalmente devido ao aumento dos componentes eletrônicos, o risco de incêndio é grande.ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ 

Qual é o perigo? 

Especialistas apontam que não é aconselhado deixar no carro os cabos para fazer a ponte, pois isso acaba motivando a utilização do equipamento. De forma mais detalhada, hoje, os carros são compostos com muitos pontos elétricos, assim a chupeta pode queimar a central de injeção, os reguladores de tensão ou até mesmo todas as peças eletroeletrônicas. ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

Então, o que devo fazer?

Estando na situação de bateria parada, o correto é realizar a retirada da mesma do veículo, carregá-la fora e depois colocar novamente no lugar. Vale ressaltar que isso deve ser feito por uma equipe especializada, assim como a nossa, pois, além de carregar é necessário fazer todo o monitoramento do alternador, para verificar se ela está em perfeito estado.  ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤ

Prevenção

Visando diminuir os riscos da bateria parar temos algumas dicas para você! A primeira delas é que mesmo o carro em stand by, a bateria é gasta, mesmo em pouca quantidade, pela central de injeção eletrônica, o alarme e a parte frontal do rádio. Então o ideal é você retirar a frente do rádio, se possível, e ficar atento ao consumo dos faróis e do próprio rádio com o carro desligado. Também é super importante usar produtos homologados pelas montadoras e que se encaixem na capacidade da bateria, para evitar que em pouco tempo a bateria seja descarregada.

 

Catalisador: como funciona?

14.01.20

⁣ㅤㅤO catalisador, que é um do itens mais importantes do veículo, é o responsável por ajudar a diminuir a quantidade de gases nocivos que poluem o meio ambiente. Ele se encontra no escape e possui uma espécie de colméia de cerâmica , que é envolta por um aço inoxidável, que possui minúsculas partículas de metais nobres responsáveis por tornarem as emissões que chegam à atmosfera, menos nocivas do que as inicialmente expelidas pela combustão.⁣
ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤA colméia, que está dentro do catalisador, filtra os gases nocivos – hidrocarboneto (HC), óxidos de nitrogênio (NOx) e monóxido de nitrogênio (CO) – emitidos pela combustão. Nessa estrutura interna, que é composta pelas substâncias químicas paládio e molibdênio, ocorre a reação dessas substâncias com os gases nocivos, que os transformam em vapor d’água e em outros gases não tóxicos, como gás carbônico (CO2) e nitrogênio (N2).⁣⁣ㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤㅤPor se tratar de uma peça sensível, alguns cuidados são necessários para que o catalisador não seja danificado, o que comprometeria o bom funcionamento do motor. O primeiro cuidado básico é o de sempre utilizar um combustível confiável, pois o catalisador pode ser sobrecarregado por elementos nocivos. Outra medida a ser tomada é realizar uma manutenção periódica do componente, pois assim como outros elementos do carro, ele precisa ser substituído em determinado momento. Além disso, é importante que velas, filtros e bicos injetores estejam em bom estado, pois eles podem também prejudicar o catalisador caso não funcionem como deveriam. Por fim, fique atento ao sinal luminoso que indica problemas no catalisador, e caso ocorra, leve-⁣o imediatamente à um mecânico especializado.

Bateria ideal para o som automotivo

08.01.20

De início é importante citar que, de todos os componentes do som automotivo, a bateria é a mais importante, precisando assim ser de ótima qualidade e com uma amperagem suficiente para um funcionamento do sistema de som e especialmente estável. O ideal é que essas baterias destinadas ao som automotivo sejam homologadas pelo Inmetro, de marcas conhecidas e de boa qualidade. 

Em relação à potência da bateria, a cada 1.000 WRMS do som automotivo, são necessários 100 amperes de bateria, e assim por diante. Se a amperagem for menor que a necessária , o som não terá seu limite alcançado. O ideal é sempre usar o que o manual indica.

Quanto aos cuidados, é importante lembrar de nunca deixar o alternador do carro carregando sozinho, ao invés disso, use sempre uma fonte automotiva. Caso o som fique ligado durante muitas horas, deixe ligado na tomada para preservar e prolongar a vida útil das baterias. Além disso, sempre confira a água e fluido da bateria e mantenha os terminais limpos, para que assim ela se mantenha preservada.

 

 

04 coisas que você deve saber antes de comprar a bateria do seu carro

06.01.20

Visto que a bateria automotiva é um dos principais componentes do veículo, é de extrema importância estar atento na hora da compra, para adquirir aquelas que realmente são de qualidade. Por isso lhe mostraremos a seguir, os 04 pontos importantes na hora de adquirir uma bateria:

 

Marca

Apesar da marca da bateria representar a sua inegável qualidade, suas características técnicas devem ser levadas como prioridade na escolha da bateria certa para seu veículo. Por isso é de extrema importância uma primeira análise de sua amperagem, seu tamanho, sua voltagem, etc. 

 

Voltagem, amperagem e tamanho

Essas características definem se a bateria que você adquiriu é compatível com o seu automóvel. A voltagem e a amperagem da bateria são os grandes fatores que definem sua performance no veículo. Discrepâncias relativas a essas características podem resultar em problemas como sobrecarga, por exemplo. Já o tamanho da bateria é um fator que influencia fisicamente na escolha, pois se ela for pequena demais, ficará folgada no compartimento, e caso seja grande demais, simplesmente não caberá no veículo.

 

Selo Inmetro

Esse selo é responsável por verificar uma série de fatores de garantirão o padrão de qualidade da bateria que você está adquirindo. Assim, qualquer marca que possuir este selo estará em boas condições para aquisição, instalação e uso.

 

Descarte

Por possuírem uma série de substâncias altamente tóxicas em seu interior, o descarte da bateria de carro deve ser feito de maneira consciente. A bateria antiga, por exemplo, não pode de forma alguma ser simplesmente abandonada em um lugar qualquer. E é por isso que certas lojas aceitam a devolução da bateria usada para o fabricante, de forma que certas partes possam ser reaproveitadas (carcaça ou suas placas de chumbo, por exemplo).

Como saber se a bateria da sua moto está fraca?

01.01.20

Imagine a seguinte situação: você está se preparando para ir ao trabalho e quando resolve ligar a sua moto, observa que ela não quer “pegar”. Você também não tem o costume de fazer uma inspeção periódica nos componentes do seu veículo de 2 rodas há bastante tempo. 

 

E são casos como este que podem confirmar o fato de que a bateria de sua moto está fraca, desgastada, ou até pior, precisa ser trocada com uma relativa urgência.

 

Assim como acontece com as baterias de carros tradicionais, as baterias de motocicletas também possuem um tempo médio de validade que pode variar de um ano a dois anos e meio. Apesar de que existem alguns casos que extrapolam esta condição e durem bem menos do que esta estimativa.

 

Junto a isso, também se faz altamente recomendado que, todo e qualquer motociclista leve sua moto para realizar manutenções preventivas em sua bateria. Dessa forma, ela tenderá a funcionar por mais tempo e ainda, conferir um melhor desempenho ao dispositivo sob duas rodas em si.

 

Por último, temos a chamada “partida arrastada” que também pode se considerar um sintoma inerente à bateria fraca de sua motocicleta. Isto é, caso você sinta alguma dificuldade em a acionar por conta de alguns bloqueios ou obstáculos físicos que possam estar fazendo parte do processo, o sinal de alerta deve ser ligado. De qualquer forma, é importante lembrar que uma bateria desgastada dificilmente “volta a funcionar sozinha”.

Entenda sobre os tipos de ar- condicionado do carro

31.12.19

O ar-condicionado é o aliado perfeito nos dias quentes, gerando conforto para quem precisa aguentar os momentos de intenso calor do verão. E é por este motivo que ele é um dos itens de maior preferência do consumidor brasileiro, na hora também de adquirir um veículo. Mas você sabe a diferença entre eles?

 

Ar-condicionado manual:

Este é o mais comum e simples de todos, e é aquele que está disponível na maioria dos automóveis. Nele, você pode regular a velocidade do fluxo de ar e também a temperatura, no entanto sem medidas precisas. 

 

Ar-condicionado automático:

No modelo automático, temos a presença do termostato, que permite a escolha da temperatura que será automatizada pelo sistema.

 

Ar-condicionado automático de zonas:

Possui o mesmo princípio do automático (utilização do termostato), no entanto, possibilita que tanto motorista quanto passageiro possam estabelecer temperaturas diferentes, individualmente. Existem modelos, por exemplo, que possuem até 04 zonas de ventilação diferentes. Em sistemas mais completos, há saídas de ventilação também para o banco traseiro, e dependendo do modelo, estes também podem ser controlados individualmente.

 

É importante lembrar que apesar do tipo de ar-condicionado, alguns cuidados são necessários e devem ser aplicados da mesma forma em todos eles. É importante, por exemplo, verificar o filtro da cabine ou antipólen que eliminam as impurezas a bordo do carro ou dar a partida com o sistema desligado que evita que a bateria se descarregue mais cedo. Além de fechar todos os vidros quando ligá-lo para não deixá-lo sobrecarregado.

Os 04 mitos mais comuns sobre a bateria do carro

25.12.19

É super comum surgirem algumas dúvidas quando o assunto é bateria automotiva de seu veículo, especialmente relacionadas a sua vida útil. A partir disso, separamos os 05 mitos mais frequentes sobre o assunto.

 

Dar a partida no carro gasta bateria? É uma verdade que a partida consome mais corrente elétrica da bateria, o que acaba com o tempo desgastando a capacidade da mesma de armazenar energia. No entanto, esse desgaste não é muito grande. 

 

Qualquer bateria serve em qualquer veículo? Este é um mito muito comum. A verdade é que quanto maior for a quantidade de eletrônicos instalada no automóvel, mais específica será a bateria utilizada, pois os veículos atuais costumam conter mais eletrônica embarcada e isso deve ser considerado na escolha do produto.

 

O ar-condicionado ligado diminui a vida útil da bateria? Isso depende. Se o veículo está ligado e o aparelho também, não existe problema. Porém, caso o ar-condicionado esteja ligado enquanto o carro está desligado, na hora da partida, poderá ocorrer uma descarga maior da bateria. Se repetido frequentemente, acabará interferindo na vida útil da mesma. Este raciocínio também aplica-se aos demais eletrônicos, como aparelho de som e alarmes.

O que fazer com a bateria usada? O proprietário deve devolvê-la ao fornecedor, para que o material seja descartado da forma correta. A entrega pode ser feita em qualquer revendedora de bateria.

Suspensão do automóvel: como funciona?

23.12.19

 

A suspensão de um automóvel é aquela responsável pela absorção de vibrações e choques das rodas, o que promove conforto àqueles que se encontram dentro do veículo, graças ao contato estabelecido entre as rodas e o solo. O conceito da suspensão veio das carroças puxadas por cavalos, e nesse caso, a carroçaria era suspensa sobre os eixos para poder “flutuar” sobre o eixo.

 

Os tipos de Suspensão

 

 

  • Suspensão de eixo rígido:

 

É o sistema mais utilizado no eixo traseiro, e com as rodas (da direita e da esquerda) ligadas por um único eixo em que tudo o que acontece com a roda é refletida na outra.

 

 

  • Suspensão independente:

 

Nesse tipo de suspensão, as rodas têm certa autonomia para se movimentar. Isso permite ao veículo melhor absorção na passagem por irregularidades. Geralmente ela vem no eixo dianteiro dos veículos mais novos e modernos a não ser em alguns modelos com tração nas quatro rodas (4×4) e nas picapes. Basicamente esse sistema se utiliza de uma mola e um amortecedor.

 

 

  • Suspensão de eixo de torção

 

Esse sistema se parece com o da suspensão de eixo rígido, esse é um sistema barato, que une duas rodas traseiras em apenas um único eixo. No entanto, ela possui uma deflexão que confere uma maior estabilidade e conforto.

 

 

  • Suspensão pneumática ou a ar

 

Esta é a suspensão utilizada em carros mais caros e ônibus, sendo pouco comum e funciona por meio de compressores e cilindros que mantêm a distância do solo, controlando assim a pressão do sistema.

 

Como identificar problemas

Listamos a seguir, os indícios de que a suspensão de seu carro pode estar com problemas.

  1. Ruídos que parecem chocalho, quando você passa por lugares esburacados ou lombadas;
  2. Vibração no volante, com sensação de tremor e dificuldades no controle;
  3. Manchas de óleo no local em que o carro está estacionado;
  4. Desgaste prematuro e irregular dos pneus;
  5. oscilação nos faróis dianteiros ou iluminação irregular.

Por isso é de extrema importância que você conheça o seu carro para perceber essas sutis alterações em seu funcionamento. O medida mais importante a se tomar nesses casos é levar seu veículo à um profissional imediatamente.

Como evitar o desgaste da bateria na maresia?

20.12.19

Morar em Fortaleza, ou até mesmo vir de férias para o litoral, exige alguns cuidados necessários em relação à bateria do carro. Isso porque, o fenômeno conhecido como maresia (movimentação do mar que arrasta pequenas porções de areia), pode danificar certos equipamentos devido a corrosão, e com a bateria de carro não seria diferente. 

 

Baseado nisso, daremos 03 dicas de como evitar o desgaste da bateria do seu carro quando este entrar em contato com a maresia:

 

  • A primeira solução para evitar a oxidação da bateria é utilizar lixa fina, que possibilita a retirada, por meio do atrito, da camada de zinabre que se forma pela areia que entra no carro.

 

  • Outro modo seria colocar o veículo em um lugar fechado, pois quanto mais fechado é o lugar, mais proteção terá. Caso não seja possível, opte por usar uma capa protetora, que acaba sendo uma alternativa barata e que pode reduzir riscos de oxidação.

 

  • Nos casos em que o carro fica desprotegido por mais de 15 dias, o ideal seria levar o veículo para um lava-rápido especializado em lavagem especial, certificando-se no entanto, que todos os produtos que serão utilizados são neutros, assim as peças do carro não são danificadas, bem como parte elétrica, ou mesmo a lataria.

 

É importante lembrar de ter um cuidado extra com o carro em regiões litorâneas, pois essa é a garantia de que a vida útil da bateria do seu carro não será reduzida. Mas, caso isso aconteça, entre em contato com a gente!

Os tipos de bateria para cada veículo

18.12.19

Na hora de trocar a bateria do seu carro é importante saber sobre suas informações essenciais para poder definir o modelo do automóvel, no quesito tipo e tamanho. Cada veículo possui seu tipo de terminal e sua peça precisa ter o encaixe adequado, do contrário, ela pode apresentar mau contato e prejudicar o funcionamento do veículo. 

 

Fora isso, as baterias têm diferentes especificações de altura e largura:

  • Veículos populares: tamanho 24/24F, com terminais na parte superior;
  • Veículos compactos ou de porte médio: tamanho 75, com terminais laterais;
  • Veículos de grande porte: tamanho 34/78, com duplos terminais;
  • Veículos desportivos: tamanho 35, com terminais na parte superior (comum em modelos de montadoras japonesas).

 

É importante saber se a bateria é ou não selada e ficar sempre atento a amperagem (a maioria dos produtos no mercado contém 60 amperes). Além disso, lembre-se de que apesar da primeira versão da bateria não exigir muitos cuidados e ter uma vida útil mais longa, as demais em diante precisam de uma manutenção preventiva constantemente feita por um profissional de confiança e especializado, para garantir seu bom funcionamento.

 

Por fim, não esqueça de que todas as baterias devem seguir as exigências impostas pelo Inmetro (ter o Selo de Identificação da Conformidade impresso de forma clara e legível no rótulo da bateria, bem como o logotipo do Inmetro, a Identificação do Organismo de Certificação de Produtos e o número de registro da família do produto).

 

É importante lembrar que todas as baterias devem seguir as exigências do Inmetro  — ter o Selo de Identificação da Conformidade impresso de forma clara e legível no rótulo da bateria, com o logotipo do Inmetro, identificação do Organismo de Certificação de Produtos e o número de registro da família do produto. Até mesmo as peças que vêm em embalagens precisam seguir as mesmas regras. 

 

A decisão sobre a bateria ideal para o seu veículo é bem simples, mas deve seguir todas as dicas corretamente e escolher lojas e profissionais de qualidade para concretizar a compra.

Entenda como funciona a bateria do seu veículo

11.12.19

A bateria de um carro é composta por várias placas de chumbo. Estas são abastecidas por uma solução eletrolítica, composta por ácido sulfúrico.

Quando é dada a partida no automóvel, ocorre uma reação entre essa solução, o óxido de chumbo e o chumbo esponjoso, que é por onde surge a corrente elétrica. O que acontece é que, nesse processo, a solução eletrolítica perde parte do ácido sulfúrico de sua composição.

Se assim ocorrer, a energia terminará, a não seja que a bateria seja recarregada. Por isso a utilidade do alternador. Ele transforma energia mecânica em energia elétrica, e sua fonte energética é o combustível que faz o motor do automóvel funcionar. o que resulta na geração de uma corrente elétrica contínua para alimentar a bateria do carro, que faz com que a concentração de ácido sulfúrico na solução eletrolítica aumente.

Como uma das funções da bateria é causar a faísca que liga o motor, a partir da ignição, temos uma situação curiosa, pois a energia química da bateria é transformada em energia elétrica, que produz esta faísca e permite a combustão interna do motor, a partir da mistura do combustível com o oxigênio. Após isso, a energia mecânica é produzida, fazendo com que o alternador se mova e resulte em energia elétrica para carregar a bateria, novamente.

Como fazer a bateria do seu carro durar?

09.12.19

 

 

 

A bateria é um dos itens do automóvel que mais necessita de reparos em um
automóvel, pois é ele o responsável por manter praticamente todos os
equipamentos funcionando, e é por isso que se deve estar atento a ela no seu dia a
dia. A partir disso, listamos para você algumas dicas de como fazer a bateria do seu
carro durar mais.

  • Nunca utilize uma bateria maior ou menor, ou de amperagem maior ou menor
    em seu veículo. Isso porque pode haver um comprometimento da estrutura
    elétrica do modelo, visto que cada modelo de carro possui uma bateria
    específica, além do fato de que, colocar uma bateria mais potente em um
    veículo que não necessita da mesma, não vai torná-lo melhor.
  • Cuidado ao dar partida no veículo, pois isso pode sobrecarregar os
    componentes elétricos do veículo, caso você os deixe sempre ligados. É de
    extrema importância que, antes de desligar o carro, certificar que desligou
    rádio, ar condicionado e os demais itens que possam exigir demais da bateria
    quando o veículo for ligado novamente.
  • Faça sempre as revisões recomendadas pelo manual do proprietário, para
    que seu veículo sempre funcione da forma correta e evita problemas futuros.
    Isso inclui revisões periódicas para verificar como anda o estado da bateria.

Por fim, não deixe de seguir as instruções da montadora e verificar o manual do
veículo. Se ainda te restarem dúvidas, consulte seu mecânico ou vá a um centro
automotivo especializado em baterias.

TROCA PREVENTIVA DE BATERIAS GANHA FORÇA NO MERCADO

30.05.19

COM O AUMENTO DOS COMPONENTES ELETRÔNICOS NOS VEÍCULOS, QUE DÃO MAIOR CONFORTO AOS USUÁRIOS, É RECOMENDÁVEL A TROCA PREVENTIVA DA BATERIA

Troca de óleo do motor, pastilhas de freio, pneus, velas… O olhar aguçado dos condutores sobre diversos componentes do carro e a troca preventiva deles é fundamental para manter o veículo em bom estado de funcionamento por muitos anos. A bateria automotiva – antes coadjuvante nessa lista – hoje é uma das peças primordiais, merecendo a mesma vigilância que se exerce sobre a troca de óleo, por exemplo.

Há cerca de duas décadas, a bateria era vista apenas como um item para a partida do carro ou o funcionamento das luzes baixa e alta, limpador de para-brisa ou pisca alerta. Em geral, os motoristas só notavam a existência do produto quando ele descarregava por completo, causando transtornos em diversas situações. Atire a primeira pedra quem nunca ficou na garagem de casa ou na rua por falta de bateria.

Hoje, trocá-la preventivamente já começa a fazer parte da cultura de muitos motoristas que pretendem evitar esse tipo de situação embaraçosa.

Carlos Alberto de Melo, que atua na área de desenvolvimento de produtos da Rondopar, fala sobre os desgastes da bateria: “Com o advento da eletrônica nos veículos, a tecnologia embarcada está cada vez maior, assim como a aplicação da bateria. Os veículos possuem diversos opcionais como ar-condicionado, controle de bordo, GPS, ajuste elétrico de bancos e equipamentos de comunicação, todos interligados. A função da bateria é prover energia para esse grande sistema, sendo tão importante quanto os demais componentes do carro. Já vi casos da bateria pifar e o motorista ter problemas no sistema de informação do carro, tendo que reprogramá-lo todo, um transtorno muito grande que não aconteceria se ela fosse trocada preventivamente”, explica Carlos. Além dos problemas acima, tem mais o fato de que nos veículos novos, maioria da frota, não é recomendável utilizar do famoso “pegar no tranco”.

SINAL DE ALERTA

Quando a bateria começa a falhar no momento da partida do veículo, o motorista precisa agir com rapidez, pois a carga está no limite. O consumidor pode se antecipar a esse processo, visitando autoelétricas ou autocenters especializados. Por meio de equipamentos específicos, essas empresas fazem a leitura eletrônica do veículo, avaliando as condições da bateria. Outro sinal importante que possa indicar uma troca preventivamente é o período de garantia.

Caso tenha passado muito tempo de seu vencimento, é bom fazer uma revisão na bateria: “Essa estratégia é viável, se o produto adquirido atende, de fato, as demandas de energia do veículo. Quem realiza a venda precisa orientar o motorista neste processo de troca preventiva”, conclui o especialista.

Fonte: Rondopar

Inglaterra vai testar estrada que recarrega carros elétricos

30.05.19

Em um futuro talvez nem tão distante na Inglaterra, motoristas poderão recarregar carros elétricos enquanto dirigem por estradas do país.

A agência do governo anunciou um projeto para testar a tecnologia de “carregamento veicular sem fio”. O sistema seria instalado sob o asfalto em algumas das principais rodovias evitando que motoristas precisem parar para recarregar as baterias.

Um estudo de viabilidade já existe, e agora a agência abriu uma concorrência para propostas de testes da tecnologia. Mas especialistas questionam também se um esquema como esse seria viável economicamente.

Testes na Coreia do Sul

Tecnologias de “recarga automática” de carros elétricos nas estradas já estão em funcionamento em alguns lugares.

Em 2013, a cidade sul-coreana de Gumi reconstruiu uma rua de 12 km permitindo que ônibus elétricos sejam recarregados enquanto trafegam.

Isso funciona com um processo chamado “carregamento por indução magnética”. Cabos elétricos enterrados sob o asfalto produzem campos magnéticos, que são absorvidos por um receptor no carro, e convertidos em eletricidade.

No ano passado, a cidade de Milton Keynes, no sudeste da Inglaterra, testou um esquema parecido, porém mais limitado, que recarregava baterias de ônibus elétricos por meio de placas instaladas no meio da rua.

O experimento, entretanto, exigia que os veículos parassem por alguns minutos para recarregar a bateria.

“O nosso compromisso é de realizar testes fora das ruas, ou seja, não em vias públicas, em 2016 ou 2017”, disse Stuart Thompson, um porta-voz da Highways England à BBC. “Ainda é muito cedo para revelar mais. Onde, exatamente, esses testes acontecerão é algo que ainda não foi decidido.”

Segundo a Highway England, mais detalhes sobre a novidade serão divulgados quando um contrato for, de fato, firmado. A ideia é testar a tecnologia por 18 meses antes de decidir se o governo financiará um teste oficial em vias públicas.

“O potencial de recarregar veículos elétricos de baixa emissão de poluentes nos abre possibilidades animadoras”, comentou o Ministro dos Transportes, Andrew Jones.

“Como esse estudo mostra, continuamos a explorar opções para melhorar as jornadas e tornar veículos de baixa emissão mais acessíveis para as pessoas.”

No entanto, o diretor da Cardiff Business School’s Electric Vehicle Centre of Excellence, Paul Nieuwenhuis, continua cético.

“Faz sentido testar. A tecnologia obviamente funciona”, disse Nieuwenhuis. “Mas esse projeto realmente me soa muito ambicioso. O custo é a principal questão e não estou convencido de que vale a pena.”

“A tecnologia das baterias tem melhorado – se você olhar para o que a Tesla conseguiu atingir nos últimos anos, melhorando a qualidade das baterias de seis em seis meses… Por isso, não tenho certeza se realmente há necessidade disso”, disse.

Mesmo que o plano não venha a se concretizar, a Highways England já se comprometeu a instalar pontos de recarga de bateria a cada 32 km na sua rede de estradas a longo prazo.

Fonte: Auto Esporte

A importância do alternador

23.04.19

O alternador e a bateria são responsáveis por gerar e fornecer energia. Por isso, a manutenção preventiva desses itens é fundamental para garantir o bom funcionamento e segurança do automóvel.

Acionado pelo motor por meio de uma correia, o alternador – que é a central elétrica do veículo – transforma a energia mecânica em energia elétrica necessária para carregar a bateria e alimentar todos os componentes, como o sistema de ignição, injeção e os demais equipamentos elétricos. Não há um tempo pré-determinado para a troca ou substituição do componente; isso varia de acordo com a utilização (tempo que o motor fica ligado) e condições de uso do carro.

Já a bateria tem a função de fornecer energia ao motor de partida e ao sistema de ignição do automóvel, além de alimentar todo o sistema elétrico quando o motor está desligado. A durabilidade de uma bateria depende da qualidade do produto e também do cuidado do motorista com o automóvel. Se a bateria for de boa qualidade e se o sistema elétrico passar por manutenções preventivas, ela pode durar até cinco anos ou mais. Pensando nisso, a Bosch fornece algumas orientações para aumentar a vida útil destes componentes.

Para aumentar a durabilidade do alternador o ideal é verificar sempre o estado de conservação das correias e das polias, e substituí-las quando necessário. Quando for necessário fazer a troca, não é indicado utilizar peças de baixa qualidade, pois estas podem prejudicar o funcionamento e a durabilidade do equipamento.

No caso da bateria, a primeira orientação é garantir que o sistema elétrico do veículo esteja em boas condições, nas especificações determinadas pelo fabricante e, especialmente, que seja compatível com a capacidade do alternador.

Outro componente fundamental para a durabilidade da bateria é o regulador de tensão do alternador, que, além de outras funções, controla a quantidade de energia que deve ser fornecida pelo alternador para a correta recarga da bateria, ao mesmo tempo em que garante a alimentação de todos os demais consumidores elétricos do veículo.

O motorista também deve evitar ações que geram a descarga profunda da bateria, como, por exemplo, manter os faróis, som ou luzes internas ligados, enquanto o veículo está desligado. Outra orientação é não deixar o veículo por vários dias sem funcionamento, pois, mesmo nessa condição, a bateria continua fornecendo energia ao sistema elétrico do automóvel, como por exemplo, unidades de comando, alarme, etc.

Fonte: Mecânica Online.

Atenção redobrada no período chuvoso

23.04.19

Em muitas regiões brasileiras, os meses chuvosos do ano reservam para os motoristas grandes dificuldades nas estradas, não somente pelo movimento das férias, que aumenta a quantidade de carros nas rodovias, mas também por ser o período mais chuvoso.

Se você precisa pegar a estrada para chegar ao trabalho, se faz questão das viagens de final de semana ou até mesmo, se enfrenta as águas na cidade grande, é importante tomar alguns cuidados com o seu carro para aumentar a segurança e não colocar ninguém em risco. Saiba, a seguir, como garantir mais proteção no seu automóvel em épocas de chuva:

Limpadores

Em dias chuvosos, o primeiro passo é garantir a melhor visibilidade possível da pista, e um dos itens imprescindíveis para a época das águas é o limpador de para-brisa.

Fique atento a riscos de borracha no vidro e ao som emitido pela peça, quando passar pelo para-brisa: esses são dois indícios de que está na hora de trocar o limpador.

Não esqueça também de conferir o do vidro traseiro!

Lanternas

Dias chuvosos são naturalmente mais escuros, e muitos momentos requerem o farol aceso. Por isso, não deixe de revisar suas lanternas antes de sair com o carro, pois além da questão da segurança, o condutor corre risco de ser autuado com 4 pontos na carteira.

As luzes de sinalização, como o pisca alerta e setas de direção também devem estar em dia e reguladas, para evitar transtornos.

Pneus

A água reduz o atrito entre o asfalto e os pneus, sendo que o acúmulo do líquido pode gerar a famosa aquaplanagem, processo no qual o condutor praticamente perde o controle do carro devido à falta de contato entre o pneu e o chão.

Confira sempre a profundidade dos sulcos dos pneus (ranhuras na borracha) do seu carro, pois são eles que entregam a condição atual da borracha. E em caso de aquaplanagem, não se desespere: apenas pare de acelerar, mantenha a direção reta e não pise no freio.

Freios

Juntamente com os pneus, o sistema de freios são os responsáveis por parar o seu carro em alguma emergência, e por isso devem estar em boas condições. Confira periodicamente o fluido de freio e a condição dos demais componentes do sistema de freios, como discos, cilindros etc. Fique atento a qualquer ruído ou demora ao frear: esses são alguns indícios de que seu freio necessita de manutenção.

Sistema de circulação de ar

O sistema de ventilação do veículo exerce papel fundamental quando o vidro começa a embaçar. Por esse motivo, com ar condicionado ou não, é necessário realizar manutenção das entradas de ar e do sistema de ventilação, já que, em casos de opacidade do vidro, eles resolvem o problema de maneira mais rápida, evitando que o motorista se arrisque ou tenha que parar o carro na via.

Cuidado ao estacionar

Vale lembrar ainda que, geralmente, chuvas fortes vêm acompanhadas de raios e quedas de árvores — sem mencionar a chuva de granizo — o que, além de bloquear vias, pode causar avarias aos veículos estacionados nos arredores.

Não há como prever se uma árvore cairá ou se a chuva que vem será capaz de derrubar algumas delas, por isso, nessa época do ano, opte por deixar o carro em áreas cobertas ou, ao menos, longe de árvores maiores.

Mais atenção ao dirigir

Além das dicas de manutenção, é sempre bom levar em conta alguns conselhos na hora de dirigir com chuva, tais como não ultrapassar a distância de segurança, reduzir a velocidade, redobrar o cuidado nas ultrapassagens e ficar atento à visibilidade.

Mais importante do que chegar logo é chegar são e salvo. Portanto, se a situação estiver muito difícil para o seu veículo, não hesite em parar no acostamento, sempre com o pisca-alerta ligado e a devida sinalização.

Fonte: Porto Seguro

O descarte inadequado de baterias é PERIGOSO!

23.04.19

Quem já trocou a bateria do seu carro já ouviu do vendedor a frase: “custa tanto na troca…”. Ou seja, sua bateria velha entra na negociação quando for comprar uma nova. Por que? O primeiro motivo é para que a sucata não acabe com o descarte inadequado. Trata-se de um produto altamente tóxico. Basta ler o rótulo de uma bateria para saber o quanto ela pode ser perigosa se descartada incorretamente. Dentro delas existem componentes químicos (como o chumbo e o ácido) que podem ser nocivos à saúde e ao ambiente.

Além do óbvio, é proibido por lei descartar produtos como a bateria no lixo comum ou em outros lugares inadequados. (Resolução CONAMA 401/08) Pesadas multas podem ser aplicadas em quem não se preocupa com o nosso ambiente.

O mais importante é que o revendedor de baterias vai direcionar a sua bateria usada para a reciclagem, o lugar final de toda bateria com defeito.

A CNH MUDOU!

23.04.19

O ano começou com algumas novidades no visual da carteira nacional de habilitação (CNH). A fim de inibir a falsificação da habilitação, uma resolução divulgada pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran) determinou que as habilitações emitidas a partir de 2 de janeiro teriam novas cores e itens de segurança.

 

 

O que muda

O documento ganhará brasões da República impressos que só serão vistos com o uso de luz negra, além de um tom mais “sóbrio” com a mudança a troca da cor azul esverdeada da tarja superior para a cor preta. Os itens de controle de segurança incluem elementos em relevo e em microimpressão, como novos fios de microletras. E mais: ganhará um código numérico de validação com base nos dados individuais de cada CNH, facilitando com que os agentes de trânsito possam validar a habilitação por meio de um aplicativo que deve ser disponibilizado pelo Denatran.

Mais mudanças para o primeiro semestre de 2017

A partir de maio, o novo documento também passa a ter o código bidimensional QR-Code, que vai conectar diretamente a CNH ao Registro Nacional de Condutores Habilitados (Renach), sem a necessidade de digitar informações.

As mudanças são válidas para todo o país a partir deste início de 2017, e trata-se de uma alteração visual, que não afeta o processo de habilitação. Ou seja, os condutores não precisam fazer a troca antecipada, pois os documentos atuais serão reconhecidos até a validade ou até que o condutor solicite alguma alteração de dados.

Dicas para a instalação da Bateria Automotiva

22.04.19

A Bateria Automotiva é um dos componentes mais importantes do seu carro e tem como principal função fornecer energia elétrica para o motor de arranque, unidade de comando e sistema de ignição eletrônica possibilitando assim que o motor possa entrar em funcionamento, a bateria também tem a responsabilidade de alimentar todo o sistema elétrico do automóvel quando o motor não esta ligado. Apesar da instalação da bateria automotiva ser um procedimento simples, devemos ter alguns cuidados e seguir alguns passos para que não se tenha surpresas desagradáveis como curtos, descarregamentos e vários outros problemas causados por uma substituição errada deste componente.

Procedimento de instalação da Bateria para Automóveis:

  • Instale somente o modelo de bateria recomendado pelo fabricante do automóvel, para isso consulte o manual do proprietário ou um catálogo de aplicações da marca de bateria automotiva escolhida por você;
  • Confira com teste de baterias se a mesma esta totalmente carregada (tensão acima de 12,3) e se não esta fora da data limite de venda, ou seja, se não passou muito tempo desde de a fabricação da bateria até a data em que foi efetuada a compra.
  • Desligue todos os componentes elétricos (faróis, setas, limpadores rádios, etc), antes de fazer a instalação.
  • Ao instalar a bateria conecte o cabo positivo primeiro e só depois de apertado conecte o cabo negativo( para retirar a bateria inverta este procedimento), sempre com o devido cuidado para que a ligação não esteja invertida, o que pode causar vários danos ao sistema elétrico do veiculo.
  • Verifique se o contato entre os terminais do cabos e os pólos da bateria esteja bom, a limpeza dos pólos e dos terminais é essencial para um contato melhor e não passe nenhum produto químico (graxa, óleo e outros) nos terminais.
  • Certifique-se que a bateria esteja bem fixada e se não ficou algum objeto (porcas, parafusos, chaves) que possa perfurar a caixa da bateria.
  • Após realizar os tópicos a cima confirme se o alternador ou gerador, motor de partida estão funcionando corretamente e se não há fugas de corrente que possam causar um descarregamento prematuro da bateria.

Se as dicas acima forem seguidas corretamente sua bateria automotiva será instalada sem nenhum problema e com certeza seu carro vai agradecer.

Solicite orçamento